O Transtorno do Espectro Autista(TEA) e o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) estão se tornando mais bem compreendidos, mas os médicos ainda encontram dificuldade para diferenciar as duas condições. Agora, pesquisadores do sul da Austrália dizem que identificaram biomarcadores que podem permitir que essas duas condições sejam diagnosticadas e distinguidas uma da outra usando um simples teste oftalmológico.

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é a mais comum das duas condições, afetando cerca de 5 a 8 por cento das crianças, principalmente meninos, e muitas vezes durando até a idade adulta. Carrega uma gama relativamente ampla de sintomas, principalmente centrados em desatenção, hiperatividade, impulsividade, esquecimento, desorganização, inquietação, fala incessante e barulho. É tratável e em muitos casos usando medicamentos indicados pelo médico.

É muito mais difícil definir um diagnóstico de TEA (autismo), pois os sintomas são mais diversos em tipo e gravidade, e variam muito de uma pessoa para outra. Os sintomas podem incluir dificuldades nas interações sociais e na comunicação, dificuldade na transição entre atividades, foco atípico em detalhes e reações incomuns a certas sensações. Os tratamentos são muito mais centrados em educação e adaptações.

TEA e TDAH são condições diferentes, mas às vezes se sobrepõem e, em muitos casos, os comportamentos envolvidos parecem os mesmos, dificultando a diferenciação entre as duas condições e colocando as crianças nos caminhos de tratamento incorretos. Portanto, os pesquisadores estão procurando biomarcadores que possam ajudar a identificar essas condições rapidamente, e novas pesquisas da Finders University apresentaram resultados promissores.

O optometrista de pesquisa da Finders University, Dr. Paul Constable, vem trabalhando na detecção do autismo através da digitalização da retina há muitos anos. Mas em um novo artigo publicado na revista Frontiers in Neuroscience, Constable e uma equipe no Reino Unido dizem ter encontrado um sinal específico de eletrorretinograma (ERG) que pode não apenas ser usado para separar casos de TDAH e autismo, mas para diferenciar claramente entre as duas condições. O eletrorretinograma é um teste de diagnóstico padrão que os oftalmologistas usam desde a década de 1940 para identificar distúrbios da retina.

O estudo observou diferenças significativas encontradas entre indivíduos com TEA e com TDAH

“Os sinais da retina têm nervos específicos que os geram, então, se pudermos identificar essas diferenças e localizá-las em vias específicas que usam diferentes sinais químicos que também são usados ​​no cérebro, podemos mostrar diferenças distintas para crianças com TDAH e TEA e potencialmente outras condições de desenvolvimento neurológico. Este estudo fornece evidências preliminares para alterações neurofisiológicas que não apenas diferenciam TDAH e TEA de crianças com desenvolvimento típico, mas também evidências de que eles podem ser distinguidos um do outro com base nas características do ERG”, disse Constable

Embora mais trabalho seja necessário antes que essa técnica possa ser usada no diagnóstico, os pesquisadores dizem que ela poderia ser usada para detectar uma série de outras condições neurológicas, bem como TEA e TDAH.

“Em última análise, estamos analisando como os olhos podem nos ajudar a entender o cérebro”, disse Fernando Marmolejo-Ramos, coautor do estudo e especialista em cognição humana e artificial da Universidade do Sul da Austrália. “Embora sejam necessárias mais pesquisas para estabelecer anormalidades nos sinais da retina que são específicos para esses e outros distúrbios do neurodesenvolvimento, o que observamos até agora mostra que estamos à beira de algo incrível. É realmente um caso de observar esse espaço como acontece, os olhos podem revelar tudo”.

Você pode ler a pesquisa na íntegra na revista Frontiers in Neuroscience. Fonte: Universidade Flinders

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.