O que você vê nesta imagem? Mas, cuidado, a sua idade pode afetar a percepção

Portal Raízes

Um estudo conduzido pela Universidade de Flinders, na Austrália, tentou provar uma teoria sobre a clássica ilusão de ótica chamada “Minha esposa e minha sogra”. A ilustração mostra uma mulher jovem olhando longe e uma mulher idosa com um nariz grande no perfil. Sem dúvida é uma imagem que temos visto repetidamente em toda a rede, há vários anos. Uma afirmação interessante do estudo é que a idade da pessoa pode alterar a percepção da imagem. Vamos descobrir se é verdade? Primeiro, você tem menos ou mais de 30 anos? Segundo, você viu primeiro a jovem ou a senhora?

A pesquisa diz que a mulher que você observa pela primeira vez nessa ilusão está ligada à sua idade, como dissemos no início, porque, como já vimos, podemos ver uma jovem olhando para a direita ou uma velha olhando para a frente. Pessoas entre 18 e 30 anos tenderão a ver a jovem na aparência inicial, enquanto aquelas com mais de 30 anos irão observar a senhora. Independentemente da idade, todos são capazes de ver a outra versão depois de um pequeno momento de análise, embora seja a primeira impressão que nos dá uma ideia sobre a mentalidade que temos e se também está de acordo com o nosso corpo físico

Se você  tem mais de 30 anos e viu a jovem primeiro,  significa que os seus recursos neurais que denotam sua maturidade ainda não se manifestaram, então você ainda é, mentalmente jovem. O contrário também é plausível, pois há muita gente jovem com a mente envelhecida, exausta até. Mas também, na realidade, pode ser apenas uma questão perceptiva da nossa mudança de humor enquanto fazemos a análise da imagem, nosso cérebro entra no jogo do entretenimento e se deixa iludir propositadamente.

Essa ilusão é baseada na percepção facial: se você olha para a garota ou para a mulher velha, só consegue ver uma de cada vez. Esta é a explicação de por que não podemos ver ambas a princípio, mas que nosso cérebro tem que “mudar a maneira como vemos” a fim de encontrar a próxima pessoa oculta.

O estudo conclui expressando “os vieses de cada idade afetam como o subconsciente enfrenta a percepção”. Isso significa que, dependendo da idade que cada um tem, modifica a maneira como vemos o mundo, tentando identificar cada imagem de uma forma que se adapte à nossa realidade cotidiana. Identificamos valores, roupas, modas e até mesmo pequenas características com as quais estamos acostumados, por isso também é importante ter em mente que isso pode variar dependendo do nosso estilo de vida ou com quem costumamos interagir.

A análise tentou provar a teoria que diz os preconceitos mentais da idade, desvios profundos e irracionais em nosso pensamento que também parecem influenciar nossa percepção. Para explicá-lo, usaram um dos exemplos mais antigos, um esboço muito popular que hoje continua a servir de base para o estudo. A versão mais antiga desse desenho popular e ambíguo apareceu em um postal alemão do final do século XIX.

Na verdade, o esboço que todos conhecemos foi criado pelo artista britânico William Ely Hill e apareceu na revista americana “Puck” em 6 de novembro de 1915. Desde então, todos os tipos de adaptações, efeitos similares e até paródias foram feitos. quem poderia ser dito ser o decano dos efeitos visuais deste tipo. Claro, agora só podemos ver isso como prova de que nosso cérebro envelhece sem que saibamos disso.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.