Pesquisas mostram que violência física, verbal, emocional, psicológica e sexual sofridas na infância podem ter consequências devastadoras ainda mais a longo prazo na vida criança até a idade adulta. Um relatório divulgado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) em 2019 destacou os efeitos a longo prazo do trauma infantil e por que preveni-lo é um importante problema de saúde pública. De acordo com o relatório, cerca de 61% dos adultos pesquisados ​​experimentaram pelo menos uma experiência adversa na infância (ACE) e quase 17% relataram exposição à múltiplas agressões.

Esses eventos traumáticos colocam esses indivíduos em risco de desenvolver problemas de saúde, como doenças cardíacas, diabetes, câncer, asma, transtornos de ansiedade, depressão, síndrome do pânico e até comportamento suicida na adolescência e/ou na vida adulta. Também pode impactar negativamente a educação e o emprego e levar ao abuso de substâncias e comportamentos de enfrentamento não saudáveis.

Jerimy Fox, conselheiro profissional licenciado e médico de saúde comportamental no Banner Behavioral Health Hospital  em Scottsdale, AZ, explica o trauma infantil e as etapas que você pode tomar como pai para ajudar a reduzir e até eliminar as consequências negativas do trauma de seu filho.

Definindo Traumas na Infância

“Trauma infantil ou ACEs pode ser qualquer evento ou situação ou série de eventos ou situações que sobrecarregam a capacidade de uma criança de lidar. Seja físico ou emocional, real ou percebido, eles causam uma resposta de “luta ou fuga”, que pode afetar ou moldar a maneira como eles veem e experimentam a vida”, disse Fox.

Em alguns casos de trauma na infância, uma criança pode não sofrer danos duradouros, porém, para outros, pode interferir no desenvolvimento, relacionamentos pessoais e saúde.

“Fatores como a idade da criança, percepção, frequência do trauma e sua capacidade de lidar com ele podem determinar o impacto que esses eventos podem ter em suas vidas a longo prazo”, disse Fox.

Tipos de Experiências Adversas na Infância (EAIs)

Quanto mais eventos traumáticos uma criança foi exposta, maior o risco de desenvolver problemas de saúde física e mental ao longo da vida. No entanto, entender, reconhecer, cuidar e receber ajuda adequada pode ajudar a criança a se curar e não levar os traumas para a vida adulta.

Essas EAIs podem incluir:

  • Abuso
    • Físico
    • Psicológico
    • Verbal
    • Emocional
    • Sexual
  • Negligência
    • Físico
    • Emocional
  • Desafios domésticos
    • Divórcio ou separação dos pais
    • Estresse econômico/pobreza e falta de moradia
    • Testemunhar abuso físico ou emocional
    • Doença mental e abuso de substâncias na família ou no lar
    • Acidentes ou doenças graves e a morte súbita de um ente querido
  • Incidentes Escolares e Comunitários
    • Desastres naturais, terrorismo e violência comunitária
    • Violência escolar, bullying ou cyberbullying

“Esses tipos de trauma afetam crianças e famílias em todas as comunidades e podem ter efeitos de longo prazo na saúde, bem-estar e relacionamentos. Mas há esperança. Se você tomar as medidas adequadas depois que seu filho passar por um trauma, poderá ajudá-lo a superar e prosperar no futuro”, afirmou Fox.

Como ajudar seu filho a superar o trauma

Eduque-se: Aprenda sobre os gatilhos e reações comuns que as crianças têm com eventos traumáticos.
Procure apoio de um profissional de saúde mental: Consulte um profissional de saúde comportamental ou de saúde mental qualificado. Quando necessário, eles podem ajudar crianças e famílias a lidar com o impacto de eventos e situações traumáticas e ajudá-los a se recuperar.
Evite a culpa: Às vezes pode ser muito complexo chegar à raiz do trauma do seu filho. Evite quaisquer emoções ou reações negativas que você possa ter, para que seu filho não se sinta culpado. As crianças podem se culpar pelo trauma, mesmo que esteja fora de seu controle. Explique a eles que eles não são responsáveis ​​e não têm culpa.
Garanta que eles estão seguros: Discuta maneiras de garantir a segurança deles em casa e na escola.
Incentive a busca pela autoestima: experiências positivas podem ajudar a aumentar a autoestima do seu filho e estimular o crescimento, um sentimento de pertencimento e independência. “As crianças se sentem melhor consigo mesmas quando podem aprender a fazer as coisas por conta própria”, diz a doutora Fox.
Esteja disponível para ouvir: Esteja disponível para ouvir se seu filho quiser falar, mas não force conversas se ele não estiver pronto. Ao discutir tópicos ou conversas difíceis, tranquilize-os e reconheça os sentimentos.
Mantenha uma rotina: Desenvolva uma rotina consistente e regular em casa e na escola.
Seja paciente: Algumas crianças se curam mais rapidamente de traumas de outras.

“A cura de traumas de infância não é linear – pode haver muitos picos e colinas ao longo do caminho. Tente não apressar o processo de autocura do seu filho. Dê-lhe tempo e muito amor e segurança”, conclui Fox.

Leia mais sobre isso:

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.