Criança surrada tem chance de desenvolver até 13 problemas mentais

Portal Raízes

De acordo com uma nova meta-análise de 50 anos de pesquisa sobre palmada por especialistas da Universidade do Texas em Austin e da Universidade de Michigan, quanto mais crianças são espancadas, maior a probabilidade da criança afrontar seus pais e experimentar um aumento no comportamento antissocial, agressão, problemas de saúde mental e dificuldades cognitivas.

O estudo, publicado no Journal of Family Psychology, analisa cinco décadas de pesquisa envolvendo mais de 160.000 crianças. Os pesquisadores dizem que é a análise mais completa até agora dos resultados associados à surra, e mais específica aos efeitos da surra que os artigos anteriores, que incluíram outros tipos de castigo físico em suas análises.

“Nossa análise se concentra no que a maioria dos americanos reconheceria como palmada e não em comportamentos potencialmente abusivos”, diz Elizabeth Gershoff, professora associada de desenvolvimento humano e ciências da família na Universidade do Texas, em Austin. “Descobrimos que a surra estava associada a resultados prejudiciais não intencionais e não estava associada a uma conformidade mais imediata ou de longo prazo, que são os resultados pretendidos pelos pais quando disciplinam seus filhos”.

A surra provoca o oposto do que os pais esperam

“O resultado do estudo, é que a surra aumenta a probabilidade de uma ampla variedade de resultados indesejáveis ​​para as crianças. Apanhar, assim, faz o oposto do que os pais geralmente querem que ele faça ”, diz Grogan-Kaylor.

Gershoff e Grogan-Kaylor testaram alguns efeitos a longo prazo entre adultos que foram espancados quando crianças. Quanto mais eles foram espancados, mais exibiam comportamento antissocial e experimentavam problemas de saúde mental. Eles também eram mais propensos a apoiar a punição física de seus próprios filhos, o que destaca uma das principais maneiras pelas quais as atitudes em relação ao castigo físico são passadas de geração para geração.

80% dos pais espancam seus filhos

Os pesquisadores analisaram uma ampla gama de estudos e observaram que a surra foi associada a resultados negativos de forma consistente e em todos os tipos de estudos, incluindo aqueles que usam as metodologias mais fortes, como desenhos longitudinais ou experimentais. 80% dos pais em todo o mundo espancam seus filhos, de acordo com um relatório de 2014 da UNICEF. Gershoff observa que essa persistência de surra é apesar do fato de que não há evidências claras de efeitos positivos da surra e de amplas evidências de que ela representa um risco de dano ao comportamento e desenvolvimento das crianças.

Tanto palmada quanto abuso físico foram associados aos mesmos desfechos prejudiciais na mesma direção e quase a mesma força.

“Nós, como sociedade, pensamos em espancamento e abuso físico como comportamentos distintos”, diz ela. “No entanto, nossa pesquisa mostra que a surra está ligada aos mesmos resultados negativos da criança como abuso, apenas em um grau um pouco menor.”

Gershoff também observou que os resultados do estudo são consistentes com um relatório divulgado recentemente pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que pedia “campanhas de engajamento público e educação e abordagens legislativas para reduzir a punição corporal”, incluindo espancamento, como um meio de reduzir a criança física. Abuso. “Esperamos que o nosso estudo possa ajudar a educar os pais sobre os danos potenciais da surra e levá-los a tentar formas positivas e não-punitivas de disciplina.”

No Brasil

No Brasil, a Lei da Palmada está em vigor desde 2014, proibindo qualquer tipo de castigo físico e agressão contra as crianças. Não apenas porque elas são menores que seus agressores – o que já é uma covardia, e nem porque estão aprendendo e têm o direito de errar sem serem punidas fisicamente, também tampouco porque a violência só gera violência, mas também pelos efeitos emocionais em curto e longo prazo. Conforme vimos, os estudos trazem resultados surpreendentes e assustadores sobre o efeito da agressão física sobre crianças, ainda que seja “apenas a palmada”.

As justificativas de quem agride

De maneira geral, os pais sabem quando erraram com seus filhos, quando foram agressivos, ou exageraram na punição. Agressão traz mágoa, tristeza profunda, sensação de injustiça, humilhação e perverte as relações de poder. A criança começa a pensar que quem é maior pode (ou deve) bater no menor quando este fizer algo errado. Afinal, pai faz, filho faz, diz o ditado.

Os pais agressores costumam dizer “eu apanhei e hoje sou uma pessoa de bem”. Se assim fosse, todos os que não apanharam seriam pessoas do mal. Provavelmente a pessoa que diz isso aprendeu que a violência é a maneira de educar. Agora, ela irá repetir o mesmo com os próprios filhos ou qualquer um que esteja “abaixo” dele (ainda que somente em sua mente) na relação de poder, o que inclui o cônjuge ou companheiro. Afinal, a violência é meio educativo em suas mentes. Outros ainda repetem a velha história bíblica da “vara”. (Neste artigo, a questão da vara é abordada). Uma desculpa que não cabe, já que os pastores não usavam a vara para bater nas ovelhas, mas para conduzi-las gentilmente ao redil.

Mudança de paradigma

Há muito tempo era considerado normal ter escravos e bater neles. Hoje é considerado absurdo. Certamente chegará o dia em que as pessoas olharão para trás com horror ao saber que crianças eram agredidas fisicamente por aqueles que deveriam protegê-las e zelar por sua integridade física, mental e emocional.

Alguns malefícios causados pela “palmada educativa”

  • Desenvolvimento de problemas de saúde física, emocional e mental;
  • Sensação de injustiça, medo, mágoa e afastamento dos pais;
  • Eliminação da possibilidade do diálogo;
  • Percepção pervertida das relações de poder e de limite (quem tem o poder pode agredir, é normal agredir, se eu não consigo o que peço, agrido o outro);
  • Geração de estresse que provoca angústia, baixa autoestima e depressão;
  • Dificuldades para obedecer a ordens e perda de referências sobre escolha/consequências;
  • Sentimentos contraditórios dos filhos em relação aos pais;
  • Agredir, gera futuros agressores.

13 problemas mentais que a agressão pode desencadear na criança:

1 – A síndrome do imperador 
2 – Estresse
3 – Ansiedade
4 – Depressão
5- Distúrbios da aprendizagem
6 – Transtorno Obsessivo Compulsivo
8 – Mintomania (mania de mentir o tempo todo sobre tudo)
9 – Isolamento (quando a criança não consegue interagir com outras crianças. Prefere brincar sozinha)
10 – Tirania
11 – Psicopatia
12 – Síndrome do Pânico
13 – Transtorno bipolar

O que fazer, então?
Segundo especialistas, a melhor maneira de educar, é por meio do exemplo, do diálogo, da paciência e da imposição de limite por meio de regras e tarefas a serem cumpridas. Para o psicanalista Francisco Daudt da Veiga: “Seu filho precisa entender a relação entre o que fez e a consequência. A punição deve acontecer no mesmo momento em que houve o mau comportamento, pois as crianças têm uma visão imediatista: ainda não aprenderam a pensar a longo prazo. […] Seu olhar sério e quieto, associado a fala calma e firme, serão suficientes para fazer seu filho entender que aquilo que ele fez não foi legal. Isso, sim, é educar”.

Publicado originalmente em The University of Texas at Austin – Tradução e Livre Adaptação Portal Raízes

Leia mais sobre este assunto:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.