Leandro Karnal

“Toda pandemia gera negacionistas e histéricos, dois polos terríveis”

Portal Raízes

O historiador, professor e escritor Leandro Karnal em entrevista ao canal UM BRASIL faz, uma referência ao plano de reconstrução da Europa no fim da década de 1940 com base no auxílio internacional econômico e financeiro, de modo a reavivar a atividade econômica e garantir estabilidade social.

“Precisamos pensar em soluções extraordinárias para um período extraordinário; não se trata mais de liberar um pequeno crédito para quem está desempregado, trata-se de [elaborar] um novo Plano Marshall competitivo e amplo que envolva FMI, Banco Mundial, BNDES e nossas reservas para salvar a maioria da população da doença e do desastre econômico”.

É essencial que o País saiba cuidar das pessoas que integram os grupos de risco de Covid-19, como idosos e pessoas em situação muito precária e de extrema pobreza

“Para uma sociedade democrática e aberta, temos de fazê-la cuidadosa com os mais pobres, com os doentes, com os idosos, com as crianças; e, acima de tudo, uma sociedade não baseada em uma comunicação agressiva. Cada epidemia é única, Covid-19 mata menos do que a peste bubônica e mata menos do que a varíola matava até o século 18, mas tem um potencial de destruição econômica talvez ainda pior do que todas as outras no passado”.

Um público para cada histeria: comunicação dos negacionistas e dos alarmistas

“O que me assusta nessa crise é a tônica de uma comunicação de todo mundo se insultando, achando que o perigo é o vizinho que bate, ou não bate, panela, e não o vírus. É preciso enfatizar esta questão: primeiro, preservar a vida; segundo, os empregos e a economia; e, por fim, nossa capacidade de comunicação”.

Toda pandemia gera negacionistas e histéricos, dois polos terríveis:

“Há aqueles que dizem que não está ocorrendo nada – são pessoas perturbadas –, e aqueles que dizem que é o fim do mundo. […] Há uma dissociação de públicos. Se o político ‘A’ faz um discurso dizendo que Covid-19 não é nada, ele tem um público que aceita isso. Há público para alarmistas, para negacionistas, para pessoas que seguem a Organização Mundial da Saúde (OMS), e há público para quem manda um áudio dizendo que não se deve usar máscaras importadas da China – esse tipo de histeria também tem público. Hoje, o desafio da retórica é maior”.

Confira a entrevista na íntegra:

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga-nos também no Instagram e Youtube.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.