A empatia, aquela capacidade que nos une e nos permite nos colocar no lugar do outro, pode nos pregar peças quando carregamos a dor e o sofrimento dos outros, principalmente se sabemos que nada podemos fazer para aliviá-los. Então, o desconforto do outro se torna nosso caminho da cruz e desenvolvemos um trauma psicológico.

O que é trauma vicário?

Também conhecido como trauma secundário ou trauma indireto, o trauma vicário, pode se manifestar tanto em nível psicológico quanto físico, muitas vezes causando uma mudança na percepção que a pessoa tem de si mesma, do mundo e dos outros.

Embora sejamos todos suscetíveis ao desenvolvimento de trauma vicário, as pessoas que costumam estar mais expostas à dor e ao sofrimento em seu trabalho, como psicólogos, profissionais de saúde, assistentes sociais, advogados, policiais e agentes de resgate, correm maior risco enfrentando esse problema. No entanto, qualquer pessoa em um relacionamento significativo com um sobrevivente de trauma pode experimentar um trauma vicário.

O caminho que leva ao trauma indireto

Às vezes, o caminho para o trauma vicário é direto e rápido. Podemos ser participantes de uma experiência traumática tão terrível que nos deixa em estado de choque. Outras vezes o caminho é progressivo, nós o percorremos ao longo do tempo, e é até possível que não haja uma única história traumática, mas várias histórias de vida que se entrelaçam em nossa mente.

No entanto, independentemente das histórias que geraram o trauma, todos tendemos a seguir o mesmo “caminho emocional”. Geralmente, tudo começa com uma grande empatia pela vítima. Essa empatia não significa simplesmente compreender suas experiências, mas se colocar no lugar deles e experimentar sentimentos semelhantes aos do sobrevivente do trauma.

Como resultado, muitas vezes acabamos estabelecendo um vínculo emocional com a vítima. Estamos comprometidos com ela a ponto de nos sentirmos responsáveis ​​por seu bem-estar. Esse vínculo emocional profundo nos impede de estabelecer a distância psicológica necessária para proteger nosso equilíbrio emocional.

Por outro lado, é comum que as experiências vividas pela vítima se tornem um foco de angústia. Eles podem se reativar repetidas vezes e até entrar em nossos sonhos, como se nós mesmos tivéssemos vivenciado o trauma. Também é comum reagirmos com muita raiva, desenvolvemos a sensação de que a vida não tem sido justa, o que acaba mudando nossa percepção do mundo. Começaremos a pensar que o mundo é um lugar hostil, inseguro e caótico.

No final, essa experiência também muda nossa percepção de nós mesmos. Começamos a pensar que somos folhas movidas pelo vento, desenvolvemos um locus externo de controle, nossa percepção de autoeficácia diminui e nosso desamparo aprendido aumenta .

É possível evitar o trauma vicário?

Não podemos deixar de sentir empatia, especialmente quando vemos uma pessoa sofrendo ou conhecemos sua terrível história. No entanto, existe uma preocupação empática que nos permite ajudar o outro mantendo o equilíbrio emocional e existe uma empatia que só gera angústia e nos arrasta para o fundo do abismo. É importante aprender a diferenciá-los e não cruzar a linha tênue que os separa.

Ficar atento às nossas reações e pensamentos emocionais nos ajudará a perceber que estamos nos envolvendo demais, a ponto de nos machucar. Aplicar estratégias de autocuidado é uma forma de recarregar nossa “bateria emocional”. Isso significa aproveitar o nosso tempo livre e criar momentos apenas para relaxar.

Devemos ter em mente que quando nos deparamos com traumas que outras pessoas vivenciaram e ajudamos as vítimas, não existe apenas a possibilidade de desenvolver um trauma indireto, mas também de desenvolver resiliência vicária. Traumas são transformadores, não há dúvida, mas seu impacto nem sempre precisa ser exclusivamente negativo. Histórias de resiliência e crescimento positivo que emanam de eventos traumáticos podem se tornar uma fonte de motivação indireta.

Fonte adaptada: Rincón de la psicología

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.