Um milhão e meio de brasileiros convivem com o câncer e por que até hoje não tem cura?

Portal Raízes

Nós últimos dias, o Brasil se despediu de duas celebridades que estavam lutando contra o câncer. A querida atriz Eva Wilma e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas. Eva Wilma, um dos principais nomes da dramaturgia brasileira, faleceu às 22h08, ao 87 anos, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, em função de um câncer de ovário disseminado, levando a insuficiência respiratória. Bruno Covas, morreu às 8h20 do domingo (16), aos 41 anos, em decorrência do câncer da transição esôfago-gástrica e complicações do tratamento. Estas duas mortes e não só por elas, nos levam à reflexão:

A Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) publicou no inicio de fevereiro o relatório com a estimativa de incidência e mortalidade por Câncer em todo mundo e as projeções para 2040. A iniciativa intitulada GLOBOCAN recolhe os dados epidemiológicos dos países e publica as atualizações a cada 2 anos, enfatizando a distribuição epidemiológica da doença e a relação desses dados com o contexto socioeconômico da região e as estratégias de diagnóstico precoce e prevenção. Nessa iniciativa, 185 países estão envolvidos com o registro de 36 diferentes tipos de câncer.

Os dados publicados de expectativa para 2020 registraram uma incidência de aproximadamente 19 milhões de casos de câncer em todo mundo, com 10 milhões de mortes. Mais de 60% dos casos de câncer se concentram nos 10 tipos mais frequentes, sendo responsáveis também por 70% de todas as mortes. Em relação aos dados de 2018, pela primeira vez, o câncer de Mama ultrapassou o câncer de Pulmão em número de incidência global e o câncer colorretal ultrapassou o câncer de próstata. Chama atenção ainda o papel na mortalidade por câncer hepático, que apesar de ocupar a sexta posição em incidência, representa a terceira causa de morte global, refletindo o papel de fatores de risco modificáveis como estratégia eficaz de prevenção. Em termos de prevalência nos últimos 5 anos, mais de 50 milhões de pessoas estão vivendo com Câncer em todo mundo.

1.500.000 de pessoas vivendo com Câncer no Brasil

No Brasil, o número de novos casos foi de 522.212, com aproximadamente 260.000 mortes por câncer. Os cânceres mais prevalentes na população em geral são: próstata, Mama, Colorretal e Pulmão. Nos homens, os principais são próstata, Colorretal e Pulmão. Em mulheres, câncer de mama representou 30,3% dos novos casos, seguido por colorretal e tireóide. Em relação á mortalidade, o Câncer de Pulmão ocupou primeiro lugar em causa de morte, seguindo de Mama e Próstata. Em números de prevalência nos últimos 5 anos, temos 1.500.000 de pessoas vivendo com Câncer no Brasil.

Como surgiu o câncer e por que até hoje não tem cura? 

O câncer afeta todo o reino animal multicelular. A razão é que se trata de uma doença ancestral relacionada ao aparecimento de metazoários (animais compostos por várias células, diferentemente dos protozoários que são formados por uma única célula), há mais de 500 milhões de anos. O artigo é do doutor John Maher, imunologista clínico e pesquisador de câncer no King’s College London. Confira:

O câncer não é apenas uma doença

Bilhões de libras foram levantados, investidos e gastos na pesquisa do câncer ao longo de muitas décadas, mas ainda não curamos o câncer. Pedimos aos nossos especialistas que explicassem por que isso acontece – e por que ainda precisamos financiar com urgência mais pesquisas sobre o câncer.

Para entender por que ainda não curamos o câncer, a coisa mais importante a saber é que o câncer não é uma doença. Em vez disso, é um termo abrangente para mais de 200 doenças distintas – é por isso que financiamos pesquisas sobre qualquer tipo de câncer.

Cada tipo amplo de câncer tem muitos subtipos, e todos eles se parecem e se comportam de maneira diferente porque são diferentes em um nível genético e molecular. Isso ocorre porque o câncer surge de nossas próprias células, de modo que cada câncer pode ser tão diferente e diverso quanto as pessoas.

Existem miríades de mutações

Subjacente aos mais de 200 tipos de câncer está uma miríade de diferentes mutações genéticas. Cada câncer é causado por um conjunto diferente de mutações e, à medida que o tumor cresce, mais e mais mutações se acumulam. Isso significa que cada tumor tem um conjunto individual de mutações, portanto, um medicamento que funciona para um paciente com câncer pode não ter absolutamente nenhum efeito em outro.

É por isso que financiamos pesquisadores como Jesus Gil , cujo projeto de pesquisa visa compreender como mutações genéticas específicas podem levar ao câncer de células.

As células cancerosas dentro de um único tumor não são idênticas

Nem todas as células cancerosas em um tumor terão as mesmas mutações genéticas de uma célula cancerosa vizinha. Isso significa que os tratamentos muitas vezes podem matar um tipo de célula em um tumor, enquanto outras sobrevivem ao tratamento, permitindo que o tumor cresça novamente.

Os tratamentos podem eventualmente parar de funcionar

As mutações genéticas que as células cancerosas adquirem com o tempo significam que as células mudam a maneira como se comportam. Isso pode ser um problema extremamente difícil durante o tratamento porque as mutações podem fazer com que as células cancerosas desenvolvam resistência ao tratamento ao longo do tempo, tornando-o ineficaz.

Se isso acontecer, o paciente terá que ser submetido a um tratamento diferente – mas, novamente, o câncer pode desenvolver resistência ao novo medicamento. É por isso que financiamos pesquisadores como Maite Huarte , que está tentando descobrir como superar essa resistência.

As células cancerosas são realmente boas em permanecer vivas

As células normais têm certos mecanismos que as impedem de crescer ou se dividir demais. As células cancerosas perderam esses mecanismos de controle e podem desenvolver um arsenal de truques para evitar serem mortas. É por isso que financiamos pesquisadores como Vincenzo Giambra , que visa entender como as células cancerosas se tornam especialistas em sobrevivência.

A pesquisa do câncer, como os projetos financiados pela Worldwide Cancer Research, oferece esperança de que um dia superaremos todos esses problemas e acabaremos com o câncer – e já fizemos um progresso incrível.

“Como pesquisador e médico que viu em primeira mão o potencial de salvar vidas de novas terapias direcionadas para o câncer, minha opinião é que estamos perto de deixarmos de ser indefesos diante do câncer”.

Embora o diagnóstico de câncer individual continue sendo uma das conversas mais assustadoras que as pessoas podem ter com seu médico; vale a pena dar um passo atrás para ver o quadro maior. Nos últimos 40 anos, as pesquisas fizeram progressos surpreendentes e as taxas de sobrevivência de muitos tipos de câncer aumentaram significativamente nas últimas décadas. As taxas de sobrevivência de muitos tipos de câncer dispararam.

Anos de pesquisa nos deram bons resultados, como por exemplo: 9 entre cada 10 pessoas diagnosticadas com câncer testicular hoje, estarão vivos 10 anos depois;  3 entre 4 crianças diagnosticadas com câncer hoje, sobrevivem à doença por mais de 10 anos – uma grande melhoria em relação a cerca de um terço das crianças diagnosticadas com câncer há 40 anos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.