Esta foto é sua? Por favor entre em contato.

14 Segredos para um grande relacionamento

Há tantos lugares para o casal buscar conselhos sobre os comportamentos que fazem um bom relacionamento prosperar e durar. Blogs, Facebook, livros e artigos oferecem sugestões sobre como parceiros íntimos podem ser bem sucedidos. No entanto, mesmo quando eles se curtem, têm atração sexual intensa, mostram confiança e resistência para sobreviverem em tempos difíceis, pouco mais de 50% conseguem viver em harmonia por muito tempo.

Há, igualmente, o máximo de informações sobre o que pode sabotar um relacionamento, como evitar desastres antes que eles ocorram e surgem novos elementos que não foram abordados antes. Por causa da abertura de informações pessoais sobre os relacionamentos e as maneiras como o casal deve se comportar.

No entanto, muitos ainda buscam encontrar a pessoa certa, construir um relacionamento de qualidade, e adquirir sabedoria para segurá-lo. Os casais leem os livros certos, praticam as sugestões recomendadas e se comprometem em fazer as coisas da melhor maneira.  Mas ainda assim não conseguem viver um grande relacionamento.

Como terapeuta em relacionamento por mais de quatro décadas, eu conheço essas fontes de conselhos que vêm e vão. Eu avalio as habilidades que funcionam e quais não funcionam.  Gurus respeitados em relacionamento veem a suas ideias mágicas desaparecerem com as ondas da mídia e a sua tendenciosa varinha mágica perde o poder.

Eu assisti muitos casais em grandes relacionamentos que não seguem o conselho da mídia, e ainda assim seus relacionamentos prosperam.

Para começar lembro que as ideias utilizadas são importantes, mas sei que elas não são suficientes. Esses casais encontraram sua forma de interagir fora dos padrões comumente relacionados.

Nos últimos anos revi esses valores com mais cuidados, prestando atenção às interações sutis que os tornam especiais. Eu mantive contato com muitos desses casais por mais de dez anos para ter a certeza do que eu percebia ao longo deste tempo. Além de administrar a qualidade do relacionamento, os casais que eu observei utilizam uma forma diferente de estar juntos, que é única e emocionalmente aceitável. Esses tipos de condutas nem sempre são perfeitas, mas raramente os casais se separam.

Eu compartilho com vocês 14 comportamentos espontâneos de parceiros que não somente desejam ficar juntos, mas ficarem mais perto um do outro ao longo do tempo.

1-    Casais que vivem um bom relacionamento não compartilham o segredo do outro, sem permissão

Como na Internet as opções são livres, não há praticamente nada que alguém possa fazer ou dizer que não esteja em algum banco de dados, em algum lugar nas redes sociais, e, muitas vezes, para sempre. Mesmo as informações compartilhadas nos contatos pessoais, não podem ser passadas sem autorização, mesmo que por brincadeira. Os parceiros devem respeitar profundamente os segredos vulneráveis ​​de cada um.  Qualquer segredo dos parceiros deve ficar somente entre os dois. Para dizer algo assim, o outro parceiro deve concordar que o segredo possa ser compartilhado fora da relação.  Honrar os limites individuais resulta em uma relação de confiança em que cada um pode confiar plenamente na discrição do parceiro.  É humilhante se um parceiro descobre que o outro divulga algo que é privado. Ergue-se um cenário de desconfiança quando a pessoa traída descobre a inconfidência.

2-    Casais que vivem um grande relacionamento têm abertura corajosa

Não é bom para o relacionamento compartilhar emoções ou pensamentos que possam machucar ou distanciar um do outroA verdade pode machucar, mesmo quando não é intencional.  Esconder sentimentos um do outro pode trazer danos irreversíveis se não for compartilhado. Infelizmente, muitas pessoas têm medo de que o que elas dizem não seja bem aceito ou possa ser usado contra elas. Por isso resolvem guardar esses sentimentos. Em vez disso, tente descobrir sozinho a melhor solução, ao invés de trabalhá-la diretamente com seu parceiro. Casais com este perfil aceitam o fato de que eles só podem curar o que eles podem ver. Eles não se incomodam se a relação precisar de dedicação pessoal para evitar uma possível ameaça com dano potencial. Sabem que evitar problemas é melhor do que permitir que os problemas fiquem fora de controle.

3-    Eles respeitam e honram os desejos desiguais

Nenhum casal dos que eu assisti tem exatamente as mesmas necessidades e aspirações em todo e qualquer momento, ou sente exatamente a mesma intensidade quando elas ocorrem. Grandes parceiros não anulam os desejos do outro quando o assunto é sobre a frequência sexual, vínculos sociais, obrigações familiares externas, distribuição de bens, disponibilidade pessoal ou interesses externos não compartilhados. Eles sabem que devem amar um aos outro, mesmo quando não conseguem o que buscam. E se empenham em serem justos quando lidam com as diferenças de objetivos.

4-    Eles mantêm o mesmo compromisso com as regras de relacionamento aceitas entre os dois

Subjacente a cada grande relacionamento está o compromisso paralelo de um casal com os mesmos valores básicos que foram criados com exclusividade para essa relação. Sabendo que as pessoas mudam, eles mantêm essas crenças e não mudam seus comportamentos sem, primeiro, combinar com o parceiro. Conversar antes é uma garantia aos dois para que não hajam surpresas negativas ou decisões unilaterais. Mudanças de rumos devem ser dialogadas. Este tipo de casal pode e, muitas vezes, está em desacordo sobre como interpretar esses valores básicos estabelecidos, mas cada um sabe que os acordos são a garantia que mantém viva a confiança um no outro.

5-    Eles mantêm uma conexão emocional tipo “telefone vermelho” disponível em todos os momentos

Todos os casais discutem, sentem mágoa e raiva quando eles não conseguem satisfazer a necessidade do outro sem abrir mão de si mesmo. Mas, mesmo no meio dos momentos mais difíceis, se um dos parceiros está em apuros, esses ressentimentos devem ser substituídos por compaixão e apoio. Quando confrontados com a dor inesperada ou uma perda significativa de qualquer tipo, cada parceiro sabe que o outro vai estar lá incondicionalmente. Que o apoio não é somente garantido, mas se torna mais forte cada vez que é chamado.

6-    Eles conhecem quando o outro está triste

Mesmo quando a relação é tensa, parceiros em grandes relacionamentos sempre se preocupam com a dor do outro. Assim que as questões entre eles se resolvem, imediatamente passam para o lado do outro parceiro e tenta ajudar a curar a dor, mesmo se o problema entre eles fez com que ficassem chateados. Mesmo quando o outro não pode agir de imediato, eles não param de oferecer ajuda até que possa ser aceito. Não é natural ente pessoas assim, que o remorso, a tristeza intensa ou as necessidades fiquem no caminho do imprescindível apoio ao outro. O registro emocional dos momentos dolorosos é trabalhado para substituir a dor por uma melhor interação no futuro.

7-    Eles praticam a delicadeza emocional com reciprocidade

Sacrifício, muitas vezes, é necessário em grandes relacionamentos, mas a aflição e o ressentimento podem anular os efeitos positivos desse tipo de generosidade unilateral. Parceiros que se amam profundamente dão, a partir do coração, sempre que podem, mesmo quando esse sacrifício exija desistir de suas próprias necessidades no momento. Ambos os parceiros não tiram vantagem injusta da oferta do outro e mantém uma atitude afetuosa. Eles sabem que, por vezes, um parceiro deve dar mais do que o outro, mas não há medo de que não vai ser correspondido ou não valorizado no longo prazo.

8-    Eles confiam um no outro 

Embora todo mundo seja autocentrista e, por vezes, interesseiro, os comportamentos são movidos por uma combinação de altruísmo e egoísmo. Mas as pessoas que confiam uma nas outras sabem que o compromisso de cuidar é mais profundo e deve estar sempre disponível. O parceiro apoia a vez do outro quando ele precisa fazer valer a sua prioridade e necessidade, mas também sabe que pode pedir o sacrifício quando estiver em apuros. 

9-    Eles esperam que os outros sejam corajosos e fortes quando necessário

Os parceiros em grandes relacionamentos são compreensivos e afetuosos quando ocorrem crises. Mas eles esperam e enxergam os pontos fortes de cada um. Mesmo quando a tragédia os atinge, são corajosos em seu trabalham juntos contra os desafios, sabendo que cada um fará a sua parte para ajudar da melhor maneira que pode. Espera  que o outro seja tão forte quanto possa, mas se um se curva, o outro está lá para ajudar ou, se for necessário, transporta sozinho a carga do outro.

10- Eles amam um ao outro mais profundamente após cada crise

O amor de longo prazo cria grossas paredes de autoproteção. Grandes casais entendem os perigos do mal-entendido com mais clareza. E agem com discernimento para renovar os compromissos de bem viver entre os dois. Cada conflito que pode ameaçar o seu relacionamento é trabalhado para corrigir os erros e aprender com eles. E se empenham em iniciar nova interação com maior compreensão para recuperar aquilo que eles perderam no passado, qualquer que seja o tipo de perda.

11- Eles acreditam que o outro está empenhado em fazer o melhor que ele ou ela pode

Muitos relacionamentos íntimos acabam porque um dos parceiros pensa que o outro não está fazendo o que pode ou deve ser feito para tornar as coisas melhores. Grandes casais sabem: confiança é também cuidar um do outro tão profundamente que eles acreditam que seus parceiros estão fazendo o melhor que podem naquela circunstância. Muitos comportamentos podem ser alterados, especialmente se as pessoas trabalham para melhorar a situação atual. Mas alguns comportamentos são mais difíceis de mudar. Às vezes, não importa quão duro alguém trabalha em alguma coisa, ele ou ela não pode mudar muito. O que eles precisam é de serem motivados a trabalhar em áreas que eles já sabem que não são tão bons.

12 – Eles estão no relacionamento de longa vida

Os casais em grandes relacionamentos nunca pensam em perder um ao outro. Simplesmente não arriscam o seu bom relacionamento fazendo qualquer coisa que possa causar uma ruptura permanentemente. Eles se sentem ligados no coração um do outro e experimentam uma interdependência saudável.  Esta escolha faz com que ambos se melhorem para amar um ao outro. Todas as relações têm sua parcela de mágoas e rupturas, mas as pessoas que se amam profundamente não fogem ou se calam quando o relacionamento está em apuros. Quando as coisas dão errado eles se esforçam ainda mais para fazer o que for preciso para resolver os seus problemas e manter entre eles o amor vivo.

13  – Eles nunca ‘chutam’ o outro quando ele está para baixo

Os amantes de longa data estão em sintonia com as falhas um do outros e fazem autocríticas. Eles tentam não fazer o outro se sentir constrangido ou humilhado quando ele ou ela não pode viver à altura das expectativas do outro. Quando um parceiro se sente mal, o outro não aumenta essa dor e permanece disponível para animar o parceiro. Parte da confiança do núcleo de um relacionamento é que os parceiros sabem quanta dor o outro sente quando um deles falha. E não adiciona qualquer coisa que possa aumentar essa tristeza ou frustração.

14 – Eles valorizam a presença do outro em suas vidas

Eles sabem que o amanhã é uma fantasia e que a verdadeira segurança é uma ilusão. Eles são muito conscientes de que estar sempre com o outro não pode ser uma obrigação. E que os reencontros devem ser prazerosos. Despedidas são sempre acompanhadas por esta expectativa e quando se encontram de novo são profundamente gratos. As pessoas que sofreram grandes perdas sabem disso, mas é uma lição bem compreendida e lembrada por pessoas inteligentes que se importam com a presença, mas que as ausências são doces expectativas de reencontro.

Eu já vi muitas condutas relevantes de casais inteligentes, mas não tão sólidos como esses 14 comportamentos que aparecem repetidas vezes em  relacionamentos resilientes que não se dobram sob o efeito do estresse, ou se enfraquecem com as dificuldades. Os parceiros com comportamentos identificados nesta lista sabem o que têm, sabem que é raro, e fazem tudo o que podem para mantê-los assim.

Texto da Dra. Randi Gunther – Via: Psychology Today – Tradução e adaptação livre: Portal Raízes

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS