Crianças que crescem cercadas de livros terão mais chances de enriquecerem, diz estudo

Um estudo realizado por economistas da Universidade de Pádua, na Itália, mostra que crescer cercado de livros faz bem para as pessoas. Não só isso: a pesquisa, que foi publicada no The Economic Journal sugere ainda que quem teve mais contato com livros durante a infância se sai melhor, até mesmo financeiramente, na vida adulta.

Os pesquisadores coletaram dados de homens com idades entre 60 e 96 anos de nove países europeus e avaliaram os livros com os quais essas pessoas tiveram contato quando tinham apenas dez anos. A partir destas informações, os economistas observaram que as crianças que cresceram com mais de dez livros que não eram leituras obrigatórias para escola — ou seja, que leram por puro prazer — tinham salários 21% melhores do que o restante.

O estudo faz questão de apontar que o salário da vida adulta não é o único ganho significativo que as pessoas têm ao crescer cercadas de livros. “Crianças que crescem em casas com livros têm mais chances de aprender sobre a vida e o universo, e têm novas experiências a partir das obras”, explica o pesquisador Guglielmo Weber em entrevista ao Quartz.

Apesar de ter sido realizado com pessoas cuja infância não contou com a internet, o estudo faz sentido ainda para as crianças de hoje. “Mesmo atualmente os livros captam algo diferente”, diz Weber. Outros estudos confirmam a fala do pesquisador: desde a publicação de Harry Potter, jovens passaram a ler livros mais longos e crianças que leem a série de J.K. Rowling aparentam ser mais bondosas com quem é diferente delas.

FONTEVia
COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS