Essa foto é sua? Por favor entre em contato.

Estudos comprovam que o cheiro da natureza pode curar

Portal Raízes

E se você não estivesse na sua mesa hoje, no seu escritório, verificando seus e-mails na padaria ou no banheiro? E se, em vez disso, você estivesse em uma floresta? É verde, plácido, e tem aquele cheiro de terra, de mato e aquela sensação de frescor. Você se sentiria muito mais calmo, certo? Então, boa notícia: você pode alcançar esse nível de calma sem nunca ir em uma floresta de verdade, apenas com a ajuda do seu nariz.

Um imunologista no Japão chamado Qing Li vem trabalhando há anos para mostrar que você pode obter um monte de benefícios da natureza sem realmente ir lá. Realmente, tudo o que você precisa é sentir o cheiro dela, você pode comprar essências, ou pode abraçar uma árvore do seu quintal e cheirá-la ou até mesmo cheirar mato, grama ou capim…

A redação do Atlantic Cities explica: Estudos mostraram que as visitas à natureza reduzem o estresse sobre o sistema nervoso, sobrecarregado como é no ambiente urbano moderno em que vivemos, com suas densas condições de vida, fumos industriais e buzinas; Os primeiros trabalhos de Li mostraram que passeios na floresta impulsionaram as células imunes naturais que ajudaram a combater infecções e câncer.

Então agora Li está tentando provar isso. Ele coloca os sujeitos da pesquisa em quartos de hotel e permite a alguns deles cheirar aromas de cipreste. Acontece que as pessoas que cheiram árvores são menos estressadas e têm maior atividade das células imunes do que as pessoas apenas presas em quartos de hotel. Eles chamam isso de “terapia de floresta” ou “banho de floresta”.

Fato curioso: Estudos comprovam que só de olhar para fotos de natureza você tem um efeito relaxante similar ao de estar lá de verdade.

Você pode ler melhor sobre isso no site Atlantic Cities, no artigo O cheiro da natureza é quase tão bom quanto a própria, no que diz respeito ao nosso cérebro (The Smell of Nature is Almost as The Real Thing, As Far As Our Brains Are Concerned)  – com interpretação de Grist – tradução e livre adaptação de Portal Raízes.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS