10 séries excepcionais na Netflix que toda mulher deve assistir

Portal Raízes

“Segundo Fernanda Friedrich, pesquisadora, roteirista e doutora em Literatura com ênfase em Estudos Feministas pela Universidade Federal de Santa Catarina, a naturalização e a romantização de violências contra a mulher, costuma ser o padrão da representação de gênero nas produções audiovisuais no Brasil e mundo a dentro.

Fã de ficção, Friedrich se incomodava – e ainda se incomoda – com esse retrato das mulheres nas telas. A inquietação motivou uma tese de doutorado que, por sua vez, virou livro, o recém-lançado Uma série de mulheres engraçadas – As protagonistas das sitcons em 70 anos de mudanças dentro e fora das telas.

A autora não só traz essa análise da representação feminina em séries, mas números que retratam com mais precisão as distorções entre os gêneros. Em um levantamento que fez sobre as séries brasileiras de comédia exibidas na TV paga entre os anos 2005 e 2015, das sitcons protagonizadas por homens, 50% tinham como temática o ambiente de trabalho e apenas 4% focavam em aspectos de relacionamento amoroso. Já entre as séries de comédia protagonizadas por mulheres, 44% eram focadas em relacionamentos e apenas 17% eram centralizadas no ambiente de trabalho.

Os estereótipos de gênero aparecem em séries que se tornaram famosas entre os brasileiros, como Os Normais (2001-2003), na qual Vani, interpretada por Fernanda Torres, vivia uma mulher ‘histérica, fofoqueira e barraqueira’, na análise da autora. Outras críticas se dirigem, por exemplo, à personagem Dona Nenê, de A Grande Família (2001-2014), vivida por Marieta Severo. ‘A protagonista da série é mais conformada que Lucy [da série norte-americana I Love Lucy], a grande dama da televisão dos anos 1950′, diz.

Mas nem tudo está perdido. Para Friedrich, os movimentos feministas e a sociedade como um todo pressionaram e seguem pressionando por mudanças que ajudam a modificar essas formas de representação e as produções evoluíram ao longo do tempo, o limite da piada e da liberdade de expressão e inquietações, como a obsessão pela magreza das atrizes em telenovelas brasileiras”. Larissa Linder (da Trip).

Inspirados nas assertivas da pesquisadora Fernanda Friedrich, fizemos uma lista das 10 melhores séries sobre empoderamento feminino que todas as mulheres devem assistir. E elas estão na Netflix. Confira:

1 – Orange is the new black

Orange new black é baseada no livro Orange Is the New Black: My Year in a Women’s Prison (2010) e retrata as vivências da personagem Piper Chapman em uma prisão de segurança mínima.

A série, no entanto, vai além da Piper e a cada episódio foca em uma história de vida de uma das detentas de Litchfield. São mulheres que sofreram com a misoginia, racismo, violência sexual, homofobia, perseguição religiosa e mostram a poder da sororidade feminina.

2 – How to Get Away with Murder 

Produzida por Shonda Rhimes, a série tem a magnífica Viola Davis no papel da advogada de defesa criminal, Annalise Keating, mulher negra e respeitadíssima no seu ramo de atuação que em sua vida lutou contra abusos sexuais, pobreza, racismo e alcoolismo.

Por causa desse papel, Viola tornou-se a primeira mulher afro-americana a ganhar um Emmy Award por Melhor Atriz em Série Dramática, além dele, recebeu dois SAG Awards por Melhor Performance em Série Dramática, e o Image Award por Melhor Atriz em Série Dramática.

Em HTGAWM, Annalise é chamada para absolver uma aluna que está sendo acusada de assassinar a colega de quarto, e descobre que tem muita coisa por trás deste assassinato. A série mostra o quanto o sistema jurídico é corrupto e com muita habilidade você pode moldá-lo ao seu favor, e é isso que a destemida Annalise consegue.

3 – Miss Fisher’s

Se trata de uma adaptação de uma série de 18 livros ‘The Phryne Fisher Murder Mystery Series‘ da autora australiana, Kerry Greenwood, onde teve sua estreia na televisão no início de 2012 pelo canal – também australiano – ABC1. Possui 3 temporadas completas e a continuação será feita por uma triologia de filmes.
Deixando os termos técnicos de lado, Phryne Fisher, a nossa incrível protagonista, é uma detetive ricaça, durona, sagaz e sedutora que soluciona diversos casos de assassinatos em Melbourne nos anos 1920. Ela está sempre disposta a fazer de tudo para conseguir o que quer ou para achar uma pista para a solução de uma investigação. Ela conta com a mais inesperada e leal equipe para ajudá-la e possui as mais distintas habilidades – desde falar diversos idiomas a pilotar um avião.

4 – Orphan Black

Orphan Black é uma série da BBC América e conta a história da órfã Sarah Manning (Tatiana Maslany), que vê sua vida sofrer uma reviravolta quando dá de cara, em uma estação de metrô, com uma mulher idêntica a ela. A mulher se joga nos trilhos num suicídio inesperado e Sarah encontra uma chance de conseguir algum dinheiro. Beth Childs, a.k.a. a suicida, é detetive de polícia e Sarah resolve tomar seu lugar apenas para roubá-la. As coisas começam a se complicar quando a proximidade com a vida de Beth leva Sarah a se envolver em uma elaborada conspiração de clonagem humana.

5 – Grey’s Anatomy

Já se estabeleceu como uma das maiores séries americanas dos últimos anos. Com um elenco que se renova a cada ano, enquanto alguns veteranos se despedem de tempos em tempos e novos rostos se juntam à equipe médica, a série conta as lutas diárias profissionais e pessoais dos médicos e residentes do Grey Sloan Memorial Hospital, anteriormente conhecido como o Seattle Grace Hospital. Fortes emoções e histórias envolventes de médicos e pacientes são garantia para quem acompanha esta série.

Grey’s Anatomy trata-se de um drama médico norte-americano criado por Shonda Rhimes. Tem como emissoras os canais ABC e Sony. Seu primeiro episódio foi transmitido no dia 27 de março de 2005, e desde então, vem surpreendendo a todos os fãs que a acompanham.

6 – Scandal

Olivia Pope adora solucionar problemas, especialmente se eles são relacionados a Casa Branca. Com sua equipe de “Gladiadores de Terno” ela procura resolver casos que variam entre grande comoção popular e os detalhes mais sórdidos da vida pessoal de políticos americanos.

Mesmo sendo uma gestora de conflitos de sucesso Olivia falha quando o assunto é tratar de seus próprios problemas pessoais. Com episódios de tirar o fôlego, Scandal é mais um sucesso de Shonda Rimes.

7 – A Louva-deus

A Louva-a-deus narra a história da serial killer Jeanne, conhecida como a louva-a-Deus, que está há 25 anos presa, devido à vários assassinatos. Todas as suas vítimas são homens considerados por ela “merecedores” de morte como: estupradores, pedófilos, abusadores, etc.

8 – As Telefonistas

As Telefonistas é uma série de época que se esforça em retratar os desafios de ser mulher na Madri de 1928 – desafios estes que, obviamente, ecoam no cotidiano de todas as mulheres ainda hoje. A série, ainda que possua uma protagonista que se destaca, segue o cotidiano de quatro mulheres jovens, que têm suas vidas mudadas quando se mudam para Madri para trabalhar em uma empresa do ramo de telecomunicações, que acaba de ser aberta na cidade, e tornam-se amigas.

Presas a estereótipos e convenções sociais, Alba (Bianca Suárez), Carlota (Ana Fernández), Ángeles (Maggie Civantos) e Marga (Nadia de Santiago) lutam, concomitantemente, por seus sonhos e por liberdade, ainda que para cada uma delas a definição de liberdade tenha um significado próprio. As quatro vivem sob um permanente estado de desamparo familiar, procurando ultrapassar as expectativas tradicionalmente esperadas das mulheres: casamento e filhos, destinadas a cuidarem do lar.

9 – Game of Thrones

Em 2011, quando estreou, baseada em As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin, a história era bem diferente: as personagens femininas eram subjugadas pelos homens, humilhadas, manipuladas. Com exceção de Cersei Lannister, a atual rainha de Westeros, que sempre usou o sexo masculino a seu favor: primeiro o irmão, apaixonado por ela; depois o marido, a quem traiu desde que se casou; e finalmente os dois filhos, que foram reis por pouco tempo e, ao morrer, deixaram de herança a coroa.

Seguindo seu exemplo (ético ou não), e cada uma a seu modo, as outras mulheres de GOT ganharam espaço, aprenderam a lutar e vingaram-se dos algozes. Agora são elas que disputam o poder em um embate que promete ser épico. De um lado, Cersei. Do outro, Daenerys. Ambas se dizem merecedoras do trono. Mas as irmãs Sansa e Arya Stark também prometem brigar pelo espaço, ao lado da guerreira Brienne de Tarth. Os homens? Quase todos mortos ou fragilizados.

10 – Chewing Gum

Irreverência e um toque de nonsense dão o tom da série que conta a história de Tracey, uma garota de família religiosa que quer perder a virgindade. A criadora e protagonista da série, Michaela Coel, acerta ao criar uma narrativa centrada em uma jovem negra periférica que, mais do que transar, está tentando se entender e descobrir quem é. Em meio a situações bem constrangedoras, ela aborda o extremismo religioso, relacionamento interracial e vários outros temas. Além da protagonista, a série traz várias personagens secundárias maravilhosas, humanizadas e, claro, hilárias.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.