Se você é pai ou mãe, sabe que às vezes as emoções tiram o melhor de você. De alguma forma, as crianças podem realmente apertar esses botões que você não sabia que tinha. E antes que você perceba, você grita do alto de seus pulmões.

Você não é o único a fazer isso, e seus sentimentos de frustração paterna são normais. A boa notícia é que você pode mudar a maneira como fala com seus filhos, passando de um monólogo gritante para um diálogo respeitoso.

Por que os pais gritam?

A resposta curta é porque nos sentimos sobrecarregados ou com raiva, o que nos faz levantar a voz. Mas isso raramente resolve a situação. Pode acalmar as crianças e torná-las obedientes por um curto período de tempo, mas não as fará corrigir seu comportamento ou suas atitudes.

Em suma: gritar ensina os filhos a temer você em vez de entenderem as consequências de suas ações. As crianças dependem de seus pais para aprender. Se a raiva e a agressão associada, como gritar, fazem parte do que uma criança percebe como “normal” em sua família, seu comportamento refletirá isso.

A autora e educadora de pais Laura Markham, tem uma mensagem direta: Seu trabalho como mãe/pai, depois de garantir a segurança de seus filhos, é administrar suas próprias emoções.

5 efeitos graves a longo prazo de gritar com seus filhos

É normal ficar frustrado com seus filhos, especialmente se eles estiverem se comportando mal. Mas a maneira como você expressa essa frustração e lida com a situação pode ter grandes implicações no desenvolvimento da personalidade e na saúde a longo prazo.

De fato, medidas severas de disciplina dos pais, como gritar, podem ter um impacto ainda maior nas crianças do que se acreditava anteriormente. Continue lendo para saber o que estudos clínicos descobriram sobre os efeitos a longo prazo que os gritos podem ter nas crianças.

1. Gritar faz com que seus problemas de comportamento piorem

Você pode pensar que gritar com seus filhos pode resolver um problema no momento ou impedir que eles se comportem mal no futuro. Mas a pesquisa mostra que isso pode realmente estar criando mais problemas a longo prazo. Gritar pode realmente piorar o comportamento do seu filho. O que faz você gritar mais para tentar corrigi-lo. E o ciclo continua. Um estudo sobre as relações pais-filhos mostrou que este é o caso em muitas famílias. No estudo, crianças de 13 anos que foram gritadas por seus pais reagiram aumentando seus níveis de mau comportamento ao longo do ano seguinte.

E se você acha que importa qual dos pais está disciplinando, não importa. Outro estudo descobriu que não há diferença se a disciplina dura vem do pai ou da mãe. O resultado é o mesmo: os problemas comportamentais pioram.

2. Gritar muda a forma como o cérebro se desenvolve

Gritar e outras técnicas parentais duras podem literalmente mudar a forma como o cérebro do seu filho se desenvolve. Isso porque os humanos processam informações e eventos negativos com mais rapidez e profundidade do que os bons.

Um estudo usou exames de ressonância magnética cerebral de pessoas que tiveram histórico de abuso verbal dos pais na infância com exames de pessoas que não tiveram histórico de abuso. Eles encontraram uma diferença física notável nas partes do cérebro responsáveis ​​pelo processamento de sons e linguagem.

3. Gritar pode levar à depressão

Além de as crianças se sentirem magoadas, assustadas ou tristes quando seus pais gritam com elas, o abuso verbal tem a capacidade de causar problemas psicológicos mais profundos que se estendem até a idade adulta.

No estudo que rastreou problemas comportamentais crescentes de crianças de 13 anos que foram gritadas, os pesquisadores também encontraram um aumento nos sintomas depressivos. Muitos outros estudos também mostraram uma conexão entre abuso emocional e depressão ou ansiedade. Esses tipos de sintomas podem levar ao agravamento do comportamento e podem até evoluir para ações autodestrutivas, como uso de drogas ou aumento da atividade sexual de risco.

4. Gritar tem efeitos na saúde física

As experiências que temos ao crescer nos moldam de muitas maneiras, algumas das quais nem percebemos. Estresse na infância de um pai verbalmente abusivo pode aumentar o risco de uma criança para certos problemas de saúde quando adulto. Pesquisa diz que experimentar estresse quando criança pode ter impactos na saúde física, ocasionando doenças crônicas na velhice.

5. Gritar pode causar dor crônica

Um estudo recente encontrou uma ligação entre experiências negativas da infância, incluindo abuso verbal e outros tipos, e o desenvolvimento posterior de condições crônicas dolorosas. As condições incluíam artrite, dores de cabeça fortes, problemas nas costas e no pescoço e outras dores crônicas.

Nunca é tarde demais para fazer uma mudança em seu comportamento parental ou aprender algumas novas técnicas. Se você perceber que está gritando muito ou perdendo a paciência, peça ajuda. Um terapeuta ou até mesmo outro pai ou mãe pode ajudá-lo a resolver alguns desses sentimentos e desenvolver um plano para lidar com eles de maneira mais saudável.

Disciplina positiva que não envolve gritar

As crianças que têm uma forte ligação emocional com os pais são mais fáceis de disciplinar. Quando as crianças se sentem seguras e amadas incondicionalmente, elas serão mais receptivas ao diálogo e ouvirão antes que um conflito se transforme em um episódio de gritos de raiva.

Veja como você pode praticar a disciplina positiva que não envolve gritar

1. Dê a si mesmo um tempo limite

Pegue-se antes de ficar com tanta raiva que perca o controle e levante a voz. Ao se afastar da zona de conflito por alguns momentos, você se dá a chance de reavaliar e respirar profundamente, o que o ajudará a se acalmar. Também ensina seus filhos sobre limites e como gerenciar emoções fortes de maneira saudável.

2. Fale sobre emoções

A raiva é um sentimento normal com o qual se pode aprender se administrado adequadamente. Ao reconhecer todas as emoções, da alegria e excitação à tristeza, raiva, ciúme e frustração, você está ensinando a seus filhos que todas elas fazem parte do nosso repertório humano.

Fale sobre como você se sente e incentive seus filhos a fazerem o mesmo. Isso os ajudará a desenvolver uma atitude respeitosa em relação a si mesmo e aos outros e a formar relacionamentos saudáveis ​​na vida.

3. Aborde o mau comportamento com calma, mas com firmeza

As crianças se comportam mal ocasionalmente. Isso faz parte do crescimento. Fale com eles de uma forma firme que deixe sua dignidade intacta, mas deixe claro que certos comportamentos não são tolerados.

Abaixe-se ao nível dos olhos em vez de falar com eles de cima ou de longe. Ao mesmo tempo, lembre-se de reconhecer o comportamento respeitoso e a resolução de problemas entre eles.

4. Use as consequências, mas deixe de lado as ameaças

De acordo com Barbara Coloroso (capa), autora de As Crianças Valem a Pena (Kids Are Worth It!), quando os pais usam de ameaças e punições, criam mais sentimentos de raiva, ressentimento e conflito. A longo prazo, eles impedem que seu filho desenvolva disciplina interior.

Ameaças e punições humilham e envergonham as crianças, fazendo com que se sintam inseguras. Por outro lado, as consequências que abordam um comportamento específico, mas vêm com um aviso justo (como tirar um brinquedo depois de explicar que os brinquedos são para brincar, não para bater) ajudam as crianças a fazer melhores escolhas.

Respeitando e atendendo às necessidades básicas

Atender as necessidades básicas, como sono e fome, mantém as crianças felizes e contribui para um melhor comportamento geral. Além disso, estabelece rotinas que os ajudarão a ficar menos ansiosos e reduzir o risco de agir com estresse.

O que fazer se você gritar

Não importa quão boa seja sua estratégia de prevenção de gritos, às vezes você vai levantar a voz. Isso está ok. Admita e peça desculpas, e seus filhos aprenderão uma importante lição: todos cometemos erros e precisamos nos desculpar.

Se seus filhos gritarem, lembre-os dos limites e de como gritar não é uma forma aceitável de comunicação. Eles precisam saber que você está pronto para ouvir, desde que demonstrem respeito.

Modele o mesmo, permitindo-se tempo para esfriar seus motores antes de falar com seus filhos quando estiver chateado ou sobrecarregado.

Você os ajudará a criar hábitos ao longo da vida que facilitam o gerenciamento de conflitos. Isso ensinará seus filhos a compreender os erros, deles e de outras pessoas, e que o perdão é uma ferramenta importante para uma comunicação saudável em uma família.

Se até agora você confiou em gritar para disciplinar seus filhos, provavelmente está vendo os efeitos disso:

  • Seus filhos vão usar os gritos para transmitir suas mensagens uns aos outros.
  • Eles discutem e até gritam com você, em vez de apenas falar respeitosamente.
  • Seu relacionamento com eles é instável e volátil a ponto de não conseguir se comunicar de maneira saudável.
  • Eles podem se afastar de você e ser mais influenciados por seus colegas do que por você.

Você pode mudar tudo isso

Comece tendo uma conversa franca com seus filhos sobre o erro de gritar e por que manifestar sua raiva dessa maneira não é saudável. Faça de sua casa um ambiente calmo onde as pessoas se comuniquem com respeito e reconheçam os sentimentos umas das outras sem culpar, envergonhar ou julgar. Um compromisso franco mantém o diálogo aberto e mantém todos na família responsáveis. Se errar, não desista. Não é um caminho fácil, mas vale a pena todo esforço.

Sua raiva é muito profunda?

Se sua raiva costuma se espalhar para seus filhos e você tem problemas para controlar seu temperamento regularmente, reconhecer que tem um problema é o primeiro passo para aprender a administrá-lo.

Isso o ajudará a se sentir melhor consigo mesmo e a se comunicar de maneira calma e amorosa com seus filhos.

Alguns dos sinais que apontam para problemas de raiva incluem:

  • ficar inapropriadamente irritado com questões aparentemente menores
  • experimentando sintomas relacionados ao estresse, como pressão alta, dor de estômago ou ansiedade
  • sentindo-se culpado e triste após um episódio de raiva, mas vendo o padrão se repetir com frequência
  • envolver-se em conflitos com outras pessoas em vez de ter diálogos respeitosos

Um terapeuta pode ajudá-lo a desenvolver maneiras de manter a calma e evitar explosões e também ajudá-lo a consertar os efeitos prejudiciais da raiva em seu relacionamento com seus entes queridos.

Conheça seus gatilhos

É mais provável que você grite quando algo o irritar. Estes são chamados de gatilhos.

“Os gatilhos podem incluir um espaço bagunçado, reclamações, prazos de trabalho próximos e uma briga recente com seu parceiro”, diz Pauline Yeghnazar Peck, psicóloga em Santa Barbara, CA.

Tente identificar seus gatilhos. Simplesmente saber o que eles são reduz a possibilidade de que eles o desencadeiem, diz Peck.

Crie um espelho calmo

Modele o tom que você quer que seu filho siga. Lembre-se que as emoções são contagiosas.

“Se você ficar calmo, seu filho terá mais chances de ficar calmo também”, diz J. Stuart Ablon, diretor de programa “Pense Criança” do departamento de psiquiatria do Hospital General Massachusetts.

Pode ser o oposto do que você quer fazer, mas usar uma voz suave e gentil pode chamar a atenção do seu filho melhor do que gritar. Você pode até tentar sussurrar. Evite ligar para seu filho de outro quarto.

Faça contato com os olhos

Desça à altura do seu filho. Ajoelhe-se ou sente-se. Olhe seu filho nos olhos. Se você precisar chamar a atenção deles, toque suavemente no ombro ou no braço. Isso pode ajudar os dois a ficarem calmos e diminuir a vontade de gritar.

Seja um detetive

“Seja curioso, não furioso”, diz Ablon. “Faça perguntas sem tirar conclusões precipitadas para descobrir o que está acontecendo com seu filho. Seja um detetive”.

Lembre-se: crianças se saem bem se tiverem a oportunidade de desenvolverem a autonomia

Este é um bom mantra para quando você está prestes a levantar a voz, diz Ablon. “Assim como nós, nossos filhos estão fazendo o melhor que podem para lidar com as coisas com as habilidades que podem reunir no momento”. Lembre-se de que eles não estão tentando pressionar seus botões. Eles estão frustrados, assim como você.

Dê a si mesmo um tempo para refletir

Às vezes você simplesmente precisa de uma pausa. Diga ao seu filho que você precisa de um minuto para si mesmo. Vá para outra sala, respire fundo algumas vezes e volte sentindo-se mais calmo.

A autorreflexão a ajuda a quebrar o ciclo de gritos. Pensar em sua criação e se lembrar de como gritar a fazia se sentir, ajuda a parar, de uma vez por todas, com o hábito de gritar.

Estudos citados no artigo: 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.