Criança pequena com celular - Foto: Pixabay

A idade adequada para dar um celular para a criança é aos 12 e sem internet

Clara Dawn

A grande maioria dos psicopedagogos e demais profissionais da saúde mental e física da criança, é unanime na assertiva: ‘o acesso à Smartphones e tablets é muito prejudicial ao cognitivo e a socialização na primeira infância e pré-adolescência. Especialistas alertam que Transtorno de Dependência de Telas é real e pode danificar o cérebro da criança.

Até mesmo os criadores de toda essa parafernália eletrônica, tais como, Bill Gates, Steve Jobs, e muitos líderes das empresas renomadas do ‘Vale do Silício’ (paraíso em invenções tecnológicas) limitam o tempo que os seus filhos gastam frente às telas de um computador, telefone ou tablet.

Quando Nick Bilton, jornalista e colaborador do jornal The New York Times,  em 2010 entrevistou Steve Jobs, perguntou: “Seus filhos devem adorar o iPad, não é verdade?”. A resposta de Steve Jobs foi: “Não usam. Nós limitamos a quantidade de tecnologia que as crianças podem usar em casa”.

Há várias reflexões em sua resposta, e uma delas é que as pessoas criadoras de tecnologia são as mais capazes de enxergar os perigos do seu uso constante, em especial, em cérebros em formação.

Uma criança não se perde na rua. Se perde dentro de casa

Pesquisas descobriram que os pais do Vale do Silício foram, e ainda são, bastante rigorosos quanto ao uso da tecnologia. Existe uma ótima causa por trás disso: o risco de depressão na criança até a oitava série é de 27% maior quando ela usa as tecnologias frequentemente. Crianças que usam telefones com acesso à internet são muito mais propensas à automutilação e ao autoextermínio.

Segundo à Organização Mundial de Saúde, o crescimento das estatísticas de depressão, atos e tentativas de suicídio e autolesão nos últimos anos coincidiu com o crescimento do uso de tecnologias digitais como smartphones, computadores e acesso à internet cada vez mais cedo. Não adianta ensinar seu filho a não conversar com estranhos e deixá-lo no quarto com acesso à internet e a possibilidade de conversar com centenas de estranhos. Das razões que levam crianças de 5 a 12 anos cometerem suicídios estão, os chamados ‘desafios’ da internet; o cyberbullying (Brasil é o 2º país com mais casos de bullying virtual contra crianças), a extrema ‘necessidade’ de aceitação/adoração/likes e toda essa “adultização” que está destruindo as crianças.

Os pais devem dizer ‘não’, impor limites, e monitorar a vida dos filhos pequenos, sim!

Se for entregar um celular ou um tablet para seu filho antes dos 12 anos, que seja sem acesso à internet, redes sociais, Youtube, WhatsApp, Netflix. Os pais são responsáveis por tudo que seus filhos assistem ou jogam em seus celulares e tablets. E por mais que confiem na educação que deram a ele, é imprescindível estarem atentos à maneira como o aparelho tem sido usado. As principais orientações para os pais neste sentido são:

  • Instalar a Proteção Para à Família – Disponível no site: Sua Família no Google – Porque vale monitorar o uso da internet nos primeiros meses, para ver se o celular está sendo um instrumento de ajuda ou uma ferramenta para distração e prejuízos socioeducativos.
  • Dialogar permanentemente sobre a classificação indicativa dos conteúdos. Deixar bem claro para a criança que ela é criança e só pode ver e fazer coisas indicadas para a idade dela.
  • Estabelecer limites: uma dica interessante é fazer a troca de minutos de uso dos aparelhos por tarefas importantes de acordo com cada idade.
  • Dar exemplo: se os pais desligarem os seus celulares durante as refeições e nos momentos em família, estarão dando ótimos exemplos.
  • Não permita que os aparelhos tecnológicos seja o meio de comunicação interpessoal. Demonstre o quanto é importante programas presenciais como: passeios em família, brincadeiras com os amigos, atividades artísticas, esportivas, lúdicas.
  • Explicar sem terrorismo que a internet é como se fosse um mundo fantástico desconhecido cheio de luzes brilhantes, mas com muitos perigos. E que os pais não podem deixar seus filhos entrarem nesse mundo sem a supervisão de adulto. Explicações assim dão um sentido aos perigos sem a conotação de que é proibido e ponto.

Texto de Clara Dawn, psicopedagoga, psicanalista, escritora, pesquisadora e palestrante.

Veja também:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Clara Dawn
Clara Dawn é romancista, psicopedagoga, psicanalista, pesquisadora e palestrante com o tema: "A mente na infância e adolescência numa perspectiva preventiva aos transtornos mentais e ao suicídio na adolescência". É autora de 7 livros publicados, dentre eles, o romance "O Cortador de Hóstias", obra que tem como tema principal a pedofilia. Clara Dawn inclina sua narrativa à temas de relevância social. O racismo, a discriminação, a pedofilia, os conflitos existenciais e os emocionais estão sempre enlaçados em sua peculiar verve poética. Você encontra textos de Clara Dawn em claradawn.com; portalraizes.com Seus livros não são vendidos em livrarias. Pedidos pelo email: escritoraclaradawn@gmail.com