A positividade tóxica anula suas emoções reais e quem é você – Com Sally Baker

Portal Raízes

Um exemplo de positividade tóxica é a frase “floresça onde você está plantado”. Esse tipo de positividade nos remete ao lugar de conformado, de resignado. As nossas emoções precisam ser aceitas, compreendidas e ressignificas. Logo, você não é uma árvore, portanto, se não está feliz onde você está, saia dessa situação.

A Positividade tóxica é a negação de nossas emoções e de quem somos

Sobre este assunto, a terapeuta e psicóloga britânica Sally Baker,  em entrevisa a BBC News, diz que o problema com a positividade tóxica é que ela é uma negação de todos os aspectos emocionais que sentimos diante de qualquer situação que nos represente um desafio. Nós do Portal Raízes, fizermos a seleção de um excerto bastante relevante. Confira:

“É desonesto em relação a quem somos nos permitir apenas expressões positivas. Negar constantemente tudo o que é ‘negativo’ que sentimos em situações difíceis é exaustivo e não nos permite construir resiliência.

Isso nos isola de nós mesmos, de nossas verdadeiras emoções. Nós nos escondemos atrás da positividade para manter outras pessoas longe de uma imagem que nos mostra imperfeitos. Suprimir as emoções afeta sua saúde. Se você esconder suas dificuldades mentais por trás de uma fachada de positividade, elas se refletirão de maneiras alternativas em seu corpo, de problemas de pele à síndrome do intestino irritável.

Quando ignoramos nossas emoções negativas, nosso corpo aumenta o volume para chamar nossa atenção para esse problema. Suprimir as emoções nos esgota mental e fisicamente. Não é saudável e não é sustentável a longo prazo.

O positivismo tóxico está na moda

As redes sociais nos obrigam a comparar nossas vidas com as vidas perfeitas que vemos online. Há uma tendência constante nas redes sociais de nos mostrarmos perfeitos e felizes. Mas isso é desgastante e não é real.

Se houvesse mais honestidade sobre as vulnerabilidades, nos sentiríamos mais livres para experimentar todos os tipos de emoções. Somos humanos e devemos nos permitir sentir todo o espectro de emoções. É ok não estar bem. Não podemos ser positivos o tempo todo.

É muito bom pensar que tudo vai dar certo, mas isso não significa que todo o processo para que aconteça tenha que ser agradável. É mais realista dizer ‘isso também vai acontecer, mas vai passar’ quando estamos em um momento de bloqueio.

Não ignore suas emoções negativas, você deve reconhecê-las e aceitá-las

Todas as emoções são como ondas: ganham intensidade e depois descem e se transformam em espuma, até desaparecer aos poucos. O problema é quando são negativas não as queremos sentir, mas devemos.  Seja mais honesto, mais autêntico, não tenha medo de expressar que está triste, deprimido ou ansioso. Reconheça que está mal e saiba que isso vai acontecer.

O ideal é aceitar todas as emoções, em vez de suprimir aquelas que nos fazem mal. Não se trata de não ser positivo, mas de validar como nos sentimos a cada momento mesmo quando não estamos bem. O segredo é não levar o positivismo ao extremo. Experimente as emoções e aprenda com elas a ser mais resiliente. Todas as nossas emoções são autênticas e reais, e todas elas são válidas. Mas, lembre-se, pessoas que foram diagnosticadas com depressão grave precisam de acompanhamento clínico para o enfrentamento de suas emoções”.

Leia mais:

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.