Depois de 72 anos de namoro, elas finalmente puderam se casar

Portal Raízes

Casamentos nem sempre se desenrolam em grandes histórias de amor – e o contrário também é verdadeiro. Prova disso são as norte-americanas Alice “Nonie” Dubes, de 90 anos, e Vivian Boyack, de 91. Juntas em um relacionamento homoafetivo há 72 anos, foi apenas em setembro de 2014 que elas conseguiram subir ao altar e dizer o mágico “sim”. Isso porque até 2009 o casamento entre pessoas do mesmo sexo não era permitido em Iowa, estado em que moram.

Foto © Thomas Geyer/Corbis

As duas se conheceram na faculdade, no Iowa State Teachers College, onde estudavam para serem professoras. “Aquilo aconteceu imediatamente – se é que você me entende. É como um casamento padrão, um menino e uma menina se conhecem… bem, foi assim com a gente“, contou ela ao The Guardian. Mas enquanto que a vida acontecia como a de qualquer casal dentro de casa, fora dela as duas eram apenas boas amigas. Longe dos grandes centros de luta pelo direito LGBT, como em Nova York ou São Francisco, Alice e Vivian viveram um amor velado, mas intenso e verdadeiro.

O casal teve seu matrimônio oficializado na First Christian Church, na cidade de Davenport, e provocou lágrimas até mesmo no pastor que celebrou a união. “Eu já fiz vários casamentos com pessoas jovens e, infelizmente, eu não acredito que todos tenham durado. E essas duas [Alice e Vivian] são as que não poderiam estar em um relacionamento? Elas são pessoas modelos“, afirmou o pastor.

Fotos ©The Des Moines Register

As duas, que moram hoje em uma casa de repouso, estão mais do que felizes por, enfim, poderem assumir seu amor para o mundo. “A melhor parte foi todo o carinho que nós recebemos como resposta de todas as pessoas. Foi muito bom“, afirmou Vivian.

Via: Hypeness

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.