Hollywood tende a nos mostrar o lado mais doce do amor e mesmo que seja o impossível, faz o sofrimento parecer a coisa mais romântica do universo. No entanto, muitas vezes nos faz acreditar que devemos nos apegar àquelas pessoas que não são boas para nós apenas porque seria o “destino” ou porque o amor “também é sofrimento”.

Estar apaixonado por alguém que não lhe corresponde ou que só lhe causa mais dúvidas do que segurança, é uma dor imensa. Sua mente sabe que não é onde você deveria estar, mas seu coração insiste em bater forte quando você está com aquela pessoa.

O medo da solidão às vezes nos cega e não nos permite sair de um relacionamento que não nos convém. No entanto, colocar as pessoas em um pedestal é perigoso porque nos faz acreditar que nunca seremos suficientes.

O amor não deve ser perseguido ou implorado. Você não pode forçar ninguém a te amar ou ficar ao seu lado. É hora de você aprender que você não está no controle dos sentimentos do outro.

Se você está no meio da confusão do amor não correspondido ou que está fazendo você sofrer, aqui está uma lista de filmes que lhe dão um choque de realidade necessário.

Fomos canções (tem na Netflix)

Esta comédia romântica dirigida por Juana Macías é uma adaptação de “Éramos canções”, de Elísabet Benavent. É uma história milenar de amor e desgosto nestes tempos em que ninguém tem tempo para nada e todo mundo se contenta com menos. A protagonista é Macarena (María Valverde), uma garota de 30 anos que está em um emprego ruim como assistente de um influenciador e que não superou um rompimento. É assim que ela perde seu tempo namorando homens com quem nunca consegue estabelecer um vínculo afetivo. Apesar de tudo, ela se esforça para viver a vida ao máximo e ser feliz.

Os problemas surgem quando Leo, o amor e o maior erro de sua vida que partiu seu coração, reaparece em sua vida.

As velhas feridas reabrem e a protagonista deve enfrentar todas aquelas inseguranças que esse homem deixou para definir o que ela realmente quer e merece.

500 dias com ela 

Estrelado por Zooey Deschanel e Joseph Gordon, 500 com Ela é um daqueles filmes que você odeia porque a protagonista faz o menino gentil sofrer, mas ao mesmo tempo você sabe que tudo faz sentido. Sempre houve algumas divergências sobre como a história de amor deveria ter se desenrolado, mas, colocando-a em perspectiva, é um lembrete de que o amor não deve ser perseguido ou forçado. Uma ótima conversa em torno dessa história de amor é que Tom não estava realmente apaixonado por Summer, mas sim com a ideia dela, além de querer corresponder às expectativas do amor romântico. (Tem na Prime Vídeo) 

Apenas uma vez

Apenas uma vez (Once) é um filme lindo e comovente sobre duas pessoas que se apaixonam, mas decidem não agir de acordo com seus sentimentos. É complicado, mas no final das contas, é algo que acontece o tempo todo na vida real. O relacionamento nunca se materializa, mas sua canção de amor durará para sempre. Como você pode aprender com este filme se estiver em uma situação semelhante? Canalize essa energia para outra coisa que você ama: sua carreira, seus amigos, seus hobbies. Algo realmente maravilhoso pode sair de todo esse desgosto. (Tem na Prime Vídeo) 

Namorados para sempre (tem na Netflix)

Michelle Williams (indicada ao Oscar de melhor atriz) e Ryan Gosling nos mergulham na amargura de um amor que está se deteriorando e que não pode ser como antes.

Na maioria dos filmes sobre um relacionamento desmoronando, há um ponto de virada, no entanto, não há nada aqui que tenha causado determinar o que deu errado entre Cindy e Dean. Quando há mais perguntas do que respostas, então é melhor sair de lá.

Traduzido de Nueva Mujer por Portal Raízes

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.