Genes compatíveis: a chave para um relacionamento feliz, diz pesquisa

Portal Raízes

De acordo com um estudo publicado no periódico científico PLOS ONE, não é só uma boa convivência, amor e compatibilidade de interesses que garantem um relacionamento duradouro. Os genes das duas pessoas envolvidas também podem ter um papel nessa questão. 

Pesquisadores da Universidade Yale, nos Estados Unidos, analisaram 178 casais de 37 a 90 anos de idade na tentativa de entender como a genética pode afetar a satisfação e segurança de um relacionamento afetivo. Esses indivíduos preencheram questionários sobre seus sentimentos e forneceram amostras de saliva para análise laboratorial.

Os resultados foram claros: quando pelo menos uma das duas pessoas possuía uma variação genética conhecida como “genótipo GG”, índices maiores de felicidade e tranquilidade eram reportados dentro do relacionamento. Esse genótipo é referente ao gene que controla o receptor de ocitocina, conhecida como “hormônio do amor”, por estar ligada ao desenvolvimento de empatia entre pessoas. Além disso, os níveis de ocitocina costumam ser muito mais altos do que o normal no começo de relacionamentos amorosos, e muito menores durante e depois do término.

Portadores do genótipo GG também apresentaram menos ansiedade dentro da relação do que indivíduos com outros genótipos, o que é positivo para o casamento, já que gera menos insegurança. Segundo os cientistas, índices reduzidos de ansiedade significam maior autoestima e menor sensibilidade à rejeição, o que ajudaria o relacionamento a durar mais.

O genótipo GG em ambos os membros do casal pode ser o responsável por serem mais gentis e mais  carinhosos do que outros casais que não possuem o genótipo. Esta característica pode ser rapidamente identificada por estranhos. 

Nove entre 10 pessoas, consideradas “menos confiáveis” pelos pesquisadores, tinham a versão A do gene, enquanto 6 entre os 10 considerados os “mais pró-sociais” tinham o genótipo GG. Os participantes da pesquisa foram testados antecipadamente e identificados como detentores dos genótipos GG, AG ou AA para a sequência de DNA do gene receptor de ocitocina (OXTR).

Se você está pensando em embarcar em um relacionamento sério, duradouro e feliz, segundo os pesquisadores, é interessante você e a pessoa amada fazerem uma visita ao geneticista. O geneticista é um profissional que atua na área de Genética, principalmente voltado para a pesquisa científica e ele descobrirá, por meio de exames, se vocês possuem o genótipo GG.

Publicado originalmente em BioNews – Tradução e livre adaptação de Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.