Na Islândia, empresa que pagar menos para mulheres vai ser multada

Portal Raízes

Islândia se tornou o primeiro país do mundo a tornar ilegal o pagamento desigual de salários entre homens e mulheres que ocupam cargos semelhantes. O país, que já estava no topo do ranking das nações com maior igualdade de gênero, agora obriga empresas dos setores público e privado a cumprirem esse mantra.

A lei entrou em vigor logo no primeiro dia de 2018. O texto aborda empresas que tenham mais de 25 funcionários, que precisarão conseguir um certificado de que ali se pratica igualdade salário. Do contrário, pagarão multa.

A nova legislação foi anunciada em março de 2017 pelo ministro da Igualdade e Assuntos Sociais da Islândia, Thorsteinn Viglundsson. Na época, ele disse: “precisamos garantir que homens e mulheres desfrutem da igualdade de oportunidades no local de trabalho. É nossa responsabilidade tomar todas as medidas para conseguir isso”.

A lei tem apoio de praticamente todos os partidos políticos do país, que possui um Congresso com maioria feminina. Para se ter uma ideia, no Brasil, apenas 10% dos deputados são mulheres, índice menor do que o encontrado no Oriente Médio, onde a taxa é de 16%. No mundo, a média é de 22%.

Fonte: Hypeness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.