Ler literatura séria é como impulsionar foguetes para o cérebro

Portal Raízes

Pesquisadores da Universidade de Liverpool descobriram que ler literatura séria é como impulsionar foguetes para o cérebro e funciona melhor que ler autoajuda. Por exemplo, ao ler Shakespeare, Wordsworth, ou similares, ocorre um efeito tão benéfico à mente que seria como se um ‘impulso de foguete’ despertasse a atenção do leitor e desencadeasse a autorreflexão.

Usando scanners, eles monitoraram a atividade cerebral de voluntários enquanto liam peças da literatura clássica inglesa, tanto em sua forma original quanto em uma tradução mais simplificada e moderna. E, de acordo com o Sunday Telegraph, o experimento mostrou que a prosa e a poesia mais “desafiadoras” geram muito mais atividade elétrica no cérebro do que as versões pedestres.

Os acadêmicos foram capazes de estudar a atividade cerebral à medida que os leitores respondiam a cada palavra e notaram como ela “se iluminava” ao encontrar palavras incomuns, frases surpreendentes ou estruturas de frases difíceis. Essa reação da mente durou mais do que a faísca elétrica inicial, mudando o cérebro para uma marcha mais alta e incentivando novas leituras.

A literatura séria atua como um impulsionador de foguetes para o cérebro

Philip Davis(capa), professor de inglês que trabalhou no estudo com o centro de ressonância magnética da universidade Liverpool, disse: “A pesquisa mostra o poder da literatura para mudar os caminhos mentais, para criar novos pensamentos, formas e conexões nos jovens e nos sóbrios. Mostra os efeitos sobre a psique humana tanto da leitura compartilhada em grupo quanto da leitura solitária privada de literatura séria. A literatura séria atua como um impulsionador de foguetes para o cérebro”.

A pesquisa também encontrou em particular na leitura de poesia, aumento da atividade no hemisfério direito do cérebro, uma área preocupada com a ‘memória autobiográfica’, que ajudava o leitor a refletir e reavaliar suas próprias experiências à luz do que havia lido. Os acadêmicos disseram que isso significa que os clássicos da literatura são mais úteis do que os livros de autoajuda.

As respostas cerebrais de 30 voluntários foram monitoradas na primeira parte da pesquisa enquanto liam Shakespeare em sua forma original e “moderna”.  A leitura de Shakespeare causou um nível mais alto de atividade cerebral do que a prosa direta dos textos de autoajuda.

Quanto tempo o efeito durou?

O estudo descobriu que o “pico” desencadeado por palavras desconhecidas foi sustentado nas seguintes frases, sugerindo que a palavra marcante havia fisgado o leitor, com sua mente preparada para receber mais atenção. Na segunda fase do estudo, os acadêmicos exploraram até que ponto a poesia pode trazer benefícios terapêuticos.

A próxima fase da pesquisa foi examinar até que ponto a poesia pode afetar a psicologia e fornecer benefícios terapêuticos. Usando o trabalho de, entre outros, Wordsworth, Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning, Eliot, Philip Larkin e Ted Hughes.

Os cérebros dos voluntários foram escaneados durante a leitura de quatro linhas de Wordsworth na versão clássica do autor e quatro linhas em versão releitura com linguagem simplificada.

A primeira versão causou um maior grau de atividade cerebral, iluminando não apenas a parte esquerda do cérebro relacionada com a linguagem, mas também o hemisfério direito que se relaciona com a memória autobiográfica e a emoção. É esta área do cérebro que sugere que a poesia aciona ‘mecanismos de reavaliação’, fazendo com que o leitor reflita e repense suas próprias experiências.

“Poesia não é apenas uma questão de estilo. É uma questão de profundas versões de experiência que adicionam o emocional e biográfico ao cognitivo”, disse o professor Davis e completou: “Este é o argumento da linguagem séria, na literatura séria, para situações humanas sérias, em vez de livros de autoajuda ou as leituras fáceis que apenas reforçam opiniões previsíveis e autoimagens convencionais”.

O professor Davis também está trabalhando com a instituição de caridade The Reader Organization para estabelecer grupos de leitura em voz alta em centros de acolhimento, lares de idosos, bibliotecas, escolas e grupos de mães e bebês.

Da redação de Portal Raízes. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no Youtube e no Instagram

Leia mais sobre o assunto:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.