A atriz Júlia Lemmertz falou sobre o seu período de quarentena durante a pandemia do novo coronavírus, no”Encontro com Fátima Bernardes”. Ela falou direto de um sítio na divisa entre São Paulo e Rio de Janeiro, onde está isolada com os filhos e netos. Transcrevemos alguns trechos reflexivos de sua fala. Confira:

Não estamos de férias

“É incrível, porque a Luíza, minha filha, já tem a casa dela, o marido dela, a vida dela. De repente, juntamos nossas vidas de novo. Às vezes a gente têm questões, discute coisas. Isso aqui não são férias, né? Não estamos aqui passeando, curtindo férias”.

A situação é muito grave

“É um momento muito triste, muito difícil, muito grave, não só no país, como no mundo inteiro. Temos que lidar com isso, sabendo que temos o enorme privilégio de estar em um lugar como esse: sol, ar puro, água, plantar e comer o que a gente plantou”.

“Ao mesmo tempo, nós ficamos pensando em como reverter tudo isso, o que podemos fazer quando isso tudo passar. Para onde a gente vai? Como vamos seguir com essa vida, que não vai ser a mesma de antes?”.

Empatia, generosidade, solidariedade: únicas saídas

“São palavras que eu sempre usei: empatia, generosidade, solidariedade. Essas são as únicas saídas. Não existe outro caminho possível, tem que pensar no outro. Se você pode ficar dentro de casa, e está ficando, você não está fazendo isso só por você. Está fazendo pelo outro. Esse é o momento de rever essas palavras, e perceber que a gente precisa de muito menos para viver, e pode compartilhar muito mais”.

“Esse é o momento de rever essas palavras, e perceber que a gente precisa de muito menos para viver, e pode compartilhar muito mais. Daqui para frente, parece muito claro que não podemos viver tirando da terra sem dar nada em troca”.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.