Navio naufragado há mais de 100 anos é confiscado pela natureza

Portal Raízes

Inaugurado em 1863, o que antes foi um imponente navio a vapor que costumava transportar passageiros entre Sydney, Melbourne e Honolulu, hoje se transformou em uma fascinante e curiosa ilha. O SS de Adelaide está localizado em Cockle Bay – Austrália, e tudo começou quando o barco deixou de transportar pessoas, para armazenar carvão e outras cargas pesadas. Curiosamente, ele acabou pegando fogo no mesmo ano em que o icônico Titanic afundou – em 1912. Hoje, mais de 100 anos após o incidente, o navio foi confiscado pela natureza, formando uma paisagem sem igual.

Três anos depois do fogo ser extinto, o navio foi comprado por George Butler, um morador de Magnetic Island que achou que poderia usá-lo como um quebra-mar para um píer. Infelizmente, quando estava sendo rebocado para o seu destino, o barco acabou encalhando em Cockle Bay, onde permanece até hoje.

Conforme o tempo foi passando, a tarefa de rebocá-lo foi tornando-se cada vez mais complicada. Depois de sobreviver à Segunda Guerra Mundial e a um ciclone tropical que causou o colapso do casco de ferro, o navio foi naturalmente se desintegrando e ao mesmo tempo sendo incorporado pela implacável força da natureza.

Hoje, a carcaça do navio tornou-se o lar de uma florescente floresta de manguezais, que recebe proteção especial por estar localizado em um parque marinho da Austrália. Por lá é proibida a pesca comercial, o que permite com que os manguezais cresçam em paz e, o que um dia já foi símbolo da Revolução Industrial hoje é a prova viva de que ninguém pode vencer a natureza.

Texto de Gabriela Glette, via Hypeness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.