Novo tratamento do Alzheimer promete restaurar a função da memória

Portal Raízes

Pesquisadores em Toronto iniciaram uma nova fase de um ensaio que esperam um dia levar ao tratamento e prevenção da doença de Alzheimer.

Usando uma técnica desenvolvida no Sunnybrook Hospital chamada ultrassom focalizado, os pesquisadores estão abrindo a barreira hematoencefálica em várias áreas do cérebro de pacientes com doença de Alzheimer leve a moderada. A barreira hematoencefálica é um revestimento protetor que envolve os vasos sanguíneos no cérebro. Impede que substâncias nocivas na corrente sanguínea passem, mas também dificulta os esforços para fornecer potenciais compostos terapêuticos, tais como drogas, anticorpos e células-tronco, ao tecido cerebral. 

Abrindo a barreira hemato-encefálica em múltiplas áreas específicas do cérebro em pacientes com Alzheimer, os pesquisadores esperam abrir o caminho para o fornecimento de drogas diretamente às regiões cerebrais onde as duas principais proteínas tóxicas envolvidas na doença de Alzheimer, amilóide beta e tau, tendem a se acumular.

Embora existam vários medicamentos disponíveis que podem ajudar a aliviar os sintomas da doença de Alzheimer, nenhum deles realmente interrompe a progressão da doença ou reverte os danos que ela causa. Múltiplas tentativas de drogas com o objetivo de fazê-lo falharam. A gigante farmacêutica Roche anunciou em 30 de janeiro que estava descontinuando os testes de sua droga anti-beta-amilóide Crenezumab em pacientes com Alzheimer.

“Há um sentimento na comunidade de Alzheimer e na comunidade de neurociências clínicas que precisamos fazer algo diferente”, diz o pesquisador Dr. Nir Lipsman, um neurocirurgião e cientista em Sunnybrook.

Ele sugere que o ultrassom focalizado pode oferecer uma solução. Embora algumas drogas tenham se mostrado promissoras, o Dr. Lipsman diz que é possível que elas não tenham sido efetivas em testes clínicos porque não chega a consumir a quantidade suficiente de medicamentos para os pacientes ou porque eles exigem doses muito altas que podem ser arriscadas para a saúde dos pacientes. 

“São essas duas maneiras pelas quais o ultrassom focalizado pode ser integrado à terapêutica de Alzheimer”, ele diz: ajudando tanto a distribuir mais uma droga a partes específicas do cérebro, quanto reduzindo a necessidade de doses tão altas.

O ultrassom focalizado envolve o fornecimento intravenoso de microbolhas ou minúsculas bolhas de ar para a corrente sanguínea do paciente. Depois, guiados por uma máquina de ressonância magnética (MRI), os pesquisadores enviam ondas de ultrassom direcionadas para áreas específicas do cérebro. Essas ondas fazem com que as bolhas se expandam e se contraiam, criando pequenas lágrimas na barreira hematoencefálica. O Dr. Lipsman explica que essas aberturas se fecham por conta própria em 24 horas.

Na atual fase do estudo, chamada fase 2a, os pesquisadores ainda não estão distribuindo drogas ou anticorpos através da barreira hematoencefálica. Em vez disso, eles estão construindo a primeira fase de seu teste para confirmar a segurança e a eficácia da técnica, desta vez criando múltiplas aberturas em 30 pacientes, que passarão pelo procedimento três vezes. Mas, com base nos resultados de estudos anteriores sobre roedores, eles também estão testando se o uso do próprio ultrassom focalizado pode reduzir o acúmulo de amilóide no cérebro dos participantes.

Ao ver esse efeito nos modelos de roedores, eles acreditam que a abertura da barreira hematoencefálica pode permitir que o próprio sistema imunológico do corpo elimine a amilóide, ou pode ativar a micróglia, que é considerada a célula “cuidadora” do cérebro, livrar da proteína prejudicial.

“Antes de entregarmos uma droga – e certamente a ultrassonografia focada é considerada uma ótima maneira de potencialmente fornecer terapias para o cérebro – vale a pena e é importante determinar, bem, pode a FUS, o ultrassom focalizado, ser de qualquer benefício em potencial?” Dr. Lipsman diz. “É onde estamos agora”.

Sally McMillan, 63, de Oakville, Ontário, foi o primeiro paciente a passar por essa segunda fase do estudo. O procedimento, que ocorreu em 30 de janeiro, exigiu que ela ficasse quieta em um aparelho de ressonância magnética por cerca de quatro horas, mas McMillan diz que foi indolor.

McMillan, que foi diagnosticada com Alzheimer há três anos, diz que muitas vezes é confusa e esquecida, perde as coisas ou não consegue lembrar que dia é hoje. Ela se ofereceu para participar dos testes: “para ajudar a mim mesma e as pessoas no caminho”, disse ela e completou – “Se esse teste puder ajudar, é uma coisa boa. É isso que estamos esperando”.

No Brasil

Eduardo Mutarelli, neurologista do Hospital Sírio-Libanês, diz que é importante notar que a estimulação não fez com que os pacientes melhorassem, mas que o quadro parasse de progredir – resultado mais comum no tratamento da doença, que ainda não tem cura.

Ele faz outra ressalva: os pacientes que participaram do estudo utilizaram antidepressivos, o que pode ter participação na melhora cognitiva, mesmo que isso tenha sido negado pelos autores.

De toda forma, o resultado do estudo é positivo. “Com ele, nós temos chance de fazer mais pesquisas com estimulador, porque não houve reações adversas”, diz.

A Academia Brasileira de Neurologia já afirmou em nota que o tratamento é experimental, que os estudos realizados até hoje envolveram poucos pacientes e que não há dados consistentes sobre o acompanhamento desses voluntários a logo prazo.

(Você pode ouvir uma entrevista de rádio da ABC com a equipe aqui , entretanto, está em inglês).

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.