“Seu bem-estar é como uma conta de aposentadoria: quanto mais cedo você investir, maiores serão seus retornos”. Esta frase é de Arthur C. Brooks, cientista e escritor americano, em seu livro: Encontrando Sucesso, Felicidade e Propósito Profundo na Segunda Metade da Vida (Tradução livre), de onde extraímos alguns excertos em que ele compartilha os 7 hábitos que levam a ter uma velhice feliz. Confira:

Para a maioria das pessoas, o conceito de felicidade tende a declinar ao longo da idade adulta jovem e da meia-idade, chegando ao fundo do poço por volta dos 50 anos. Então algo acontece com as pessoas mais velhas, elas se dividem em dois grupos: as que ficam muito mais felizes e as que ficam muito mais infelizes. Segundo Arthur Brooks, nessa mesma época da vida, muitas pessoas percebem a importância de ter feito boas decisões financeiras em suas primeiras décadas. Aqueles que planejaram com antecedência e economizaram são mais propensos a conseguir se sustentar com conforto; muitos daqueles que não fizeram, não podem. Algo semelhante acontece com a busca pela felicidade.

Os 7 hábitos que levam a uma envelhecência feliz

Há muita variação na população, mas dois grupos distintos emergem nos extremos. Os melhores são os “bem-felizes”, que gozam de boa saúde física, bem como de boa saúde mental e alta satisfação com a vida. No outro extremo do espectro estão os “doentes tristes”, que estão abaixo da média em saúde física, saúde mental e satisfação com a vida.

Aqui está o que você pode fazer hoje para garantir que seu corpo e sua mente sejam educados para uma envelhecência mais feliz

1 – Não fume — ou se você já fuma, pare agora. Você pode não ter sucesso em sua primeira tentativa, mas quanto mais cedo você iniciar o processo de parar de fumar, mais anos de vida poderá investir em sua conta de felicidade.

2- Observe sua bebida. O abuso de álcool está fortemente correlacionado com o tabagismo, mas muitas outras pesquisas mostram que, mesmo por si só, é um dos preditores mais poderosos de terminar tristemente doente. Se você tiver alguma indicação de problema com a bebida em sua vida, procure ajuda agora. Se você tem problemas com a bebida em sua família, não se arrisque: mantenha o interruptor desligado. Embora renunciar ao álcool possa ser difícil, você nunca se arrependerá de ter tomado essa decisão.

3 – Manter um peso corporal saudável. Coma uma dieta com muitas frutas e vegetais e porções moderadas, mas evite dietas ioiô ou restrições intensas que você não pode manter a longo prazo.

4 – Priorize o movimento em sua vida, agendando tempo para ele todos os dias e se obrigue a cumpri-lo. Indiscutivelmente, a melhor maneira testada pelo tempo de fazer isso é caminhar acelerado diariamente .

5 – Pratique seus mecanismos de enfrentamento agora. Quanto mais cedo você encontrar maneiras saudáveis ​​de lidar com as inevitáveis ​​angústias da vida, mais preparado estará se a má sorte ocorrer aos 80 anos. Isso significa trabalhar conscientemente — talvez com a ajuda de práticas espirituais ou mesmo de terapia — para evitar ruminação excessiva, reações emocionais insalubres ou comportamento de evitação.

6 – Continue aprendendo. Mais educação leva a uma mente mais ativa na velhice, e isso significa uma vida mais longa e feliz. Isso não significa que você precisa ir para Harvard; você simplesmente precisa se engajar em um aprendizado proposital ao longo da vida. Por exemplo, isso pode significar ler não-ficção séria como parte de uma rotina para aprender mais sobre novos assuntos.

7 – Faça o trabalho de cultivar relacionamentos estáveis ​​e de longo prazo agora. Para a maioria das pessoas, isso inclui um casamento estável, mas outros relacionamentos com familiares, amigos e parceiros também podem se encaixar nessa categoria. O objetivo é encontrar pessoas com quem você possa crescer, com quem possa contar, não importa o que aconteça.

Da redação de Portal Raízes

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.