Pantanal sofre a maior devastação de sua história

Portal Raízes

Os incêndios que assolam o Pantanal há dois meses são os maiores da história. Dados do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo) apontam que 15% do Pantanal foi consumido, uma área equivalente a 2,2 milhões de hectares, ou o território de Israel. Essas são as informações de El País.

Mais do que números, no entanto, os incêndios na maior planície alagada do mundo são uma tragédia devastadora para um dos biomas até então mais preservados do país, abrigo de animais extintos em outras regiões, como a onça-pintada. Importantes refúgios de fauna foram dizimados na ampla zona que fica no extremo oeste do Brasil, entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e as fronteiras da Bolívia, Argentina e Paraguai. Estão entre essas áreas o Parque Estadual Encontro das Águas, conhecido por ser morada da maior concentração de onças-pintadas do planeta, e a Terra Indígena Perigara, em Mato Grosso, e parte da Serra do Amolar, em Mato Grosso do Sul.

A estiagem e os incêndios que há mais de meses destroem o Pantanal vêm alterando a paisagem no Mato Grosso do Sul e no Mato Grosso. Em meio a mais severa seca das últimas décadas, cursos d’água estão secando, enquanto nuvens de fumaça encobrem a paisagem. São as informações da Agência Brasil.

O esforço das equipes é sobre-humano. Alguns trabalham por três dias seguidos sem parar, mas é uma luta inglória. São apenas 33 pessoas se revezando nessa brigada. Somado aos esforços nacionais de 122 homens, chega-se a pouco mais de 150 pessoas lutando contra o fogo em Mato Grosso. Um homem para cada área de 350 quilômetros. A logística local dificulta ainda mais o cenário. Para se percorrer os 160 quilômetros da Transpantaneira leva-se até cinco horas. Algumas das regiões têm acesso tão difícil que requerem um dia inteiro de viagem. Entre vinte a dez aeronaves ajudam no combate, mas a grande maioria passa o dia em terra ―a fumaça não permite que haja teto para sobrevoo.

Segundo a equipe de El País, que esteve no local, mesmo notícias aparentemente positivas escondem armadilhas. A redução dos focos de incêndio em alguns locais atinge 72%, mas essa queda esconde uma triste realidade “O incêndio reduziu mesmo, mas porque tudo foi destruído”, resume Eduardo Falcão, pantaneiro e dono de uma pousada local, tenso, ao telefone.

Foto de capa: © Mayke Toscano/Secom-MT – Via Agência Brasil

Fontes: El País, Agência Brasil, UOL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.