Poucas pessoas enxergam o animal nesta foto. Você consegue?

Portal Raízes

Essa imagem foi criada pelo artista russo Iija Klemencov e viralizou na internet. A figura é uma ilusão de ótica com linhas distribuídas em ziguezague e que traz um animal escondido, e muitas pessoas têm dificuldade em encontrar o animal em meio a tantas linhas brancas e pretas.

Mas a imagem é mais do que uma brincadeira da internet, ela faz parte de uma campanha de conscientização para o risco de extinção da espécie retratada. A ideia do artista era justamente chamar atenção para a possibilidade de não conseguirmos mais ver esses animais na Terra. A figura possui uma sombra que, na verdade, é o símbolo da World Wide Fund for Nature (WWF), principal organização engajada na preservação da espécie.

Você consegue ver?

Para conseguir ver com clareza, recomenda-se que a pessoa gire a cabeça na direção de 90° ou simplesmente se afaste um pouco da tela do computador ou celular. Viu?

Se trata de um panda-gigante. Atualmente está cada vez mais difícil de encontrar pandas na natureza, pois estima-se que existam apenas cerca de 1,6 mil espécimes vivendo fora dos cativeiros.

Com informações de Mega Curioso

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.