Quando pensamos em saúde e longevidade, logo lembramos de dieta e atividades físicas, certo? Está na hora de acrescentar um item a essa lista: dormir. Pelo menos é o que defende o “guru do sono”,  Matt Walker (capa), um neurocientista inglês, professor da University of California, Berkeley, autor de “Why We Sleep” (Porque dormimos).

Matt é obstinado em sua missão: alertar o mundo para uma crise invisível de saúde pública, que é que não estamos obtendo o suficiente sono, o sono que estamos tendo é de má qualidade, e o principal culpado desse crime contra o corpo e a mente é a cafeína. A cafeína em si pode não ser ruim para você, mas o sono que ela está roubando de você pode ter um preço. De acordo com Walker, a pesquisa sugere que o sono insuficiente pode ser um fator chave no desenvolvimento da doença de Alzheimer, arteriosclerose, derrame, insuficiência cardíaca, depressão, ansiedade, suicídio e obesidade. “Quanto menos você dorme”, ele conclui sem rodeios, “menor é a sua expectativa de vida”.

Walker cresceu na Inglaterra bebendo grandes quantidades de chá preto de manhã, à tarde e à noite. Ele não consome mais cafeína, exceto pelas pequenas quantidades em suas ocasionais xícaras de descafeinado. Na verdade, nenhum dos pesquisadores do sono ou especialistas em ritmos circadianos que entrevistei para esta história usa cafeína.
Walker explicou que, para a maioria das pessoas, o “quarto de vida” da cafeína geralmente é de cerca de 12 horas, o que significa que 25% da cafeína em uma xícara de café consumida ao meio-dia ainda está circulando em seu cérebro quando você vai para a cama à meia-noite. Isso pode muito bem ser o suficiente para destruir completamente seu sono profundo.

“Quantas vezes por noite você acorda?” A qualidade do sono é tão importante quanto a quantidade de sono. ” As interrupções estavam minando a quantidade de sono “profundo” ou de “ondas lentas” que eu estava tendo, algo acima e além do sono REM que sempre pensei ser a medida de uma boa noite de sono. Mas parece que o sono profundo é igualmente importante para a nossa saúde, e a quantidade que obtemos tende a diminuir com a idade.

A cafeína não é a única causa de nossa crise de sono; telas, álcool (que é tão difícil para o sono REM quanto a cafeína é para o sono profundo), produtos farmacêuticos, horários de trabalho, poluição sonora e luminosa e ansiedade podem desempenhar um papel em minar tanto a duração quanto a qualidade do nosso sono.

Mas aqui está o que é especialmente insidioso sobre a cafeína: a droga não é apenas uma das principais causas de nossa privação de sono; é também a principal ferramenta com a qual contamos para solucionar o problema. A maior parte da cafeína consumida hoje está sendo usada para compensar o sono ruim que a cafeína causa – o que significa que a cafeína está ajudando a esconder de nossa consciência o próprio problema que a cafeína cria.

Matthew Walker ficou famoso após sua palestra no TED, que atingiu rapidamente a marca de 1 milhão de visualizações. Para promover sua tese e alcançar o maior número de pessoas possível, o professor participa de eventos e fóruns e oferece workshops a empresários e profissionais da saúde

Da redação de Portal Raízes. As informações contidas neste artigo são apenas para fins educacionais e informativos e não têm como objetivo aconselhamento médico ou de saúde. Sempre consulte um médico ou outro profissional de saúde qualificado a respeito de qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica ou objetivos de saúde. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar. Pois isto contribui para que continuemos trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no FacebookYoutube e Instagram.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.