Um adolescente, de 14 anos, foi vítima de racismo em um grupo de mensagens criado por alunos do Colégio Cristão Ver localizado no bairro Jardim Vitória, na Região Nordeste de Belo Horizonte. Os ataques racistas aconteceram na última quinta-feira (16).O pai do garoto registrou o boletim de ocorrência na tarde desta segunda-feira (20).

O grupo que deveria ser apenas uma ferramenta de comunicação entre os alunos, foi usado para destilar racismo com xingamentos e ataques, depois que o adolescente decidiu sair do grupo. O que esse comportamento dos atuais adolescentes revelam sobre a nossa cultura? Por quantas gerações ainda viveremos o falso mito da democracia racial no Brasil? Leia a notícia completa e dê a sua opinião.

Os pais dos estudantes podem ser responsabilizados

Segundo Gilberto Silva, advogado da família do adolescente, os pais dos estudantes que fizeram os comentários podem ser responsabilizados, uma vez que não há como imputar o crime aos menores.

“Os pais podem ser responsabilizados na esfera civil com questões reparatórios tendo em vista que eles respondem pelos atos dos seus filhos, que estão sob a tutela deles”, disse.Ele ainda confirmou que iria acompanhar o pai da vítima até a delegacia para registrar ocorrência. “Quem vai definir se é crime de injúria racial ou racismo, que prevê até prisão, será a autoridade policial”, disse Gilberto Silva.

Após a conclusão do inquérito, o caso será encaminhado para o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, que poderá ou não oferecer denúncia do caso.

Leia a íntegra da nota do colégio:

“O Colégio VER, escola que tem no seu escopo pedagógico o ensino fundamental com diretriz Cristã, presidido por um Diretor negro e tendo seus corpos diretivo, docente e discente compostos por maioria negra e parda, vem a público manifestar o seu profundo repúdio frente aos atos de racismo sofrido por um aluno do 8º ano do ensino fundamental.

O ato de racismo sofrido pelo discente ocorreu em um grupo do aplicativo WhatsApp, sem qualquer participação ou conhecimento da instituição, onde foram proferidas palavras e expressões injuriosas em que a cor e a situação social foram vilipendiadas por outros adolescentes da mesma faixa etária.

O Colégio VER, enquanto uma instituição de Ensino, sempre atuou na busca pela igualdade, pela dignidade, pela cidadania e uma educação Cristã, objetivando a construção de uma sociedade justa e igualitária, alicerçada no principio do respeito e amor ao próximo, sendo este o verdadeiro proposito dos ensinamentos de Jesus Cristo, oportunidade esta que repudiamos veementemente todo e qualquer ato ou discriminação social e étnico-racial.

Com a indignação patente, a comunidade do Colégio VER manifesta sua irrestrita solidariedade ao aluno, a sua família e à toda sociedade que é ofendida com posicionamento discriminatório. Esperamos que as autoridades competentes apurem os fatos e responsabilizem os agressores, deixando claro que, como entidade educacional Cristã, que prega o amor, a solidariedade e o perdão, tal incumbência não é de nossa alçada.

Que Jesus Cristo e o Divino Espirito Santo iluminem as mentes de todos os envolvidos. Que os corações dos ofendidos sejam acalentados pelo amor do Pai e que o arrependimento sincero preencha os corações dos agressores. Que a Justiça dos homens e de Deus sejam derramadas em plenitude, punindo e, principalmente, evangelizando os pecadores”.

Leia mais sobre isso:

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.