Tarcísio Meira e Glória Menezes são internados às pressas e o ator é levado direto para UTI. Tarcísio Meira, 85 anos, e Glória Menezes, 86, estão internados no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Casados desde 1962, os dois foram diagnosticados com covid-19. As informações são do UOL. (Atualizada em 10/08/2021 – ás 13:58)

A assessoria dos atores confirmou a internação. “Estão no Albert Einstein em quarentena para recuperação. O Tarcísio teve que ser intubado, mas a Glória está com leves sintomas”.

O casal está reagindo bem ao tratamento contra a covid-19 que estão recebendo no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Mesmo assim, o ator permanece entubado na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e a atriz segue em um quarto na mesma unidade.

Tarcísio e Glória tomaram a vacina contra a doença em fevereiro deste ano, em Porto Feliz, no interior de São Paulo. Casados desde 1962, a novela mais recente do ator foi Orgulho e Paixão, da Globo, exibida em 2018. Porém, na época, ele foi afastado da produção por causa de uma infecção pulmonar.

Posso ter Covid mesmo após as duas doses da vacina?

Diversos especialistas da saúde afirmam que todas as vacinas reduzem o risco de você ter um caso grave ou morrer pela Covid-19, mas elas não são milagrosas. Pois apesar de reduzir drasticamente as chances do desenvolvimento da doença, a vacina não impede infecções pelo coronavírus e nem o tira de circulação. O objetivo principal das vacinas é evitar casos graves da doença, mas contágio pode ocorrer mesmo depois da segunda dose. Estes casos são singulares e podem ser explicados em contextos pessoais. Como é o caso do casal Glória Menezes e Tarcísio Meira.

Casos de óbito após a imunização completa, são excepcionalmente raros. Dados do Ministério da Saúde, divulgados pela CNN Brasil em maio deste ano, mostram que ocorre uma morte a cada 25 mil pessoas que tomaram as duas doses da vacina, o que representa 0,004%.

Até agora, todas as vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil – CoronaVac, AstraZeneca/Oxford, Pfizer e Johnson – foram capazes de evitar internações e mortes pela doença.

Já que a vacina não necessariamente evita o contágio, eu devo me vacinar?

Sim. Mesmo que você se infecte, a chance de desenvolver um caso grave ou até morrer pela Covid-19 diminui após a imunização. As vacinas diminuem, mas não zeram, a chance de casos graves e de morte pela Covid. É por isso que, além de se vacinar, você deve manter as outras medidas de proteção contra a doença.

Cada medida de prevenção que você adota – como se vacinar, usar máscaras, evitar aglomerações e lugares fechados – é uma “camada extra” de proteção. Por isso é necessário combiná-las.

Veja as taxas de eficácia contra casos graves alcançadas durante os testes em cada vacina usada no Brasil até o momento: Johnson: 85% eficaz; Coronavac: entre 83,7% a 100% eficaz; Pfizer: 92% eficaz; AstraZeneca: 100% eficaz.

Idosos precisarão tomar terceira dose?

Não há qualquer justificativa para aplicar uma terceira dose das vacinas contra a covid-19 em indivíduos de qualquer faixa etária. Essa é a avaliação de especialistas ouvidos pela BBC News Brasil e de diversas instituições de pesquisa e de saúde pública nacionais e internacionais.

No Brasil alguns laboratórios já conseguiram aprovar com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a liberação de novos estudos para avaliar essa possibilidade de reforço com os seus produtos (ou versões modificadas deles para fazer frente às novas variantes).

AstraZeneca e Pfizer devem começar em breve testes sobre os efeitos de uma terceira aplicação de suas vacinas (a AZD1222 e a Comirnaty, respectivamente) em voluntários brasileiros que já receberam as duas doses anteriormente.

Em nota publicada em seu site, a Anvisa deixou claro que “todas as vacinas autorizadas no Brasil garantem proteção contra doença grave e morte, conforme os dados publicados” e que “não há estudos conclusivos sobre a necessidade de uma terceira dose ou reforço”.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.