Dormir mal mata lentamente

Portal Raízes

Para que o sono seja verdadeiramente restaurativo, ele deve ser contínuo por oito horas e ocorrer à noite. E obviamente deve coincidir com o período de escuridão, explicou o Dr. Guadalupe Terán Pérez, pesquisador da Unidade Iztapalapa da Universidade Autônoma Metropolitana (UAM).

“O sono perdido nunca é recuperado” porque é um processo natural “cuja principal função é nos restaurar”, adverte no artigo Vou dormir quando morrer e outras frases para morrer em breve.

No entanto, é pouco valorizado, relegado a uma atividade de pouco uso e pode até ser considerado um símbolo de fraqueza devido, entre outras causas, à crença de que uma pessoa efetiva e produtiva não pode se dar ao luxo de dormir. Falta de sono “mata lentamente ou pelo menos diminui a expectativa de vida”.

Esta fase de descanso é uma necessidade vital para o organismo, tanto quanto beber ou comer, já que dela dependem “processos complexos”:

  • Aprender coisas novas
  • Memorizar
  • Planejar
  • Responder a doenças e ameaças externas
  • Regular a temperatura e o peso

Tudo isso está relacionado ao ciclo sono-vigília , que tem um ritmo aproximado de um dia (chamado de circadiano por esse motivo) e que é sincronizado em particular com a luz, desde que haja estímulo luminoso, uma pessoa pode ficar acordada e dormir quando há escuridão.

O Dr. Terán Pérez enfatizou que o uso da tecnologia afeta o resto das pessoas , porque cada minuto na frente dos aparelhos eletrônicos prolonga o tempo que leva para dormir – a latência do sono – e causa o despertar noturno devido ao sono superficial, de tal forma que a tela luminosa de um telefone celular, tablet, laptop ou televisão não é o melhor antes de ir para a cama.

Um adulto precisa de sete a nove horas de sono por dia, caso contrário, aumenta as chances de desenvolver hipertensão, diabetes, ataques cardíacos e obesidade, entre outras doenças cardiovasculares e metabólicas.

Outros efeitos imediatos incluem comprometimento cognitivo, ou seja, as habilidades relacionadas ao processamento – atenção, percepção, memória, planejamento e resolução de problemas – então não é surpreendente que uma pessoa que não tenha dormido o suficiente se distrai facilmente, comete mais erros, não consegue desenvolver estratégias, resolver problemas e, em geral, é menos produtivo.

Não dormir também afeta o humor; se não dorme o suficiente, provavelmente, no dia seguinte, aumentam os níveis de irritabilidade, impulsividade, comportamento agressivo e até mesmo vulnerabilidade para desenvolver transtornos de ansiedade e depressão, que somados ao stress diário de grandes sociedades, afeta e diminui a qualidade de vida.

Recomendações para um sono melhor

  • Mantenha horários de sono, tente acordar cedo até nos fins de semana.
  • À noite, evite café, chá, cola ou outros estimulantes. Fuja do tabaco.
  • Não use dispositivos eletrônicos pelo menos 30 minutos antes de ir para a cama e não os tenha por perto.
  • Crie uma atmosfera apropriada em seu quarto.
  • Reserve para a noite um momento e desconecte-se do estresse do dia. Tome um banho morno, leia um pouco, respire e relaxe.

O pesquisador conclui que o sono não é perda de tempo , “é a possibilidade de restaurar nosso corpo, equilibrar nosso sistema, recuperar doenças, desintoxicar nosso organismo e aumentar nossa expectativa de vida”.

Você dorme bem?

Texto de Selecciones, traduzido por Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.