A atriz e cantora Lady Gaga faz um importante desabafo sobre como é conviver com a fibromialgia, a doença invisível com dores reais. Na edição de outubro da Vogue, a pop star de 32 anos,  abriu o jogo sobre a sua luta contra a fibromialgia, uma condição que afeta o sistema nervoso e causa dor em todo o corpo.

“Fico tão irritada com as pessoas que não acreditam que a fibromialgia seja real. Para mim, e acho que para muitas pessoas, é realmente um ciclone de ansiedade, depressão, trauma e transtorno do pânico, todos os quais sobrecarregam o sistema nervoso e, como resultado, você tem dor nos nervos”, disse a cantora e completou:

“As pessoas precisam ser mais solidárias. A dor crônica não é brincadeira. É acordar todos os dias sem saber como vai se sentir, como você vai passar por ele”.

Gaga, nascida Stefani Germanotta, revelou que sofre da condição debilitante desde setembro de 2017, pouco antes do lançamento de seu documentário Gaga: Five Foot Two.

“Desejo ajudar a aumentar a conscientização e conectar as pessoas que têm fibromialgia, dor crônica”, ela twittou.

Para Gaga, a dor tem sido tão ruim às vezes que ela não consegue se apresentar. Em setembro de 2017, ela foi hospitalizada devido a “dor forte” e cancelou seus próximos shows.

Há muito mal-entendido em torno da fibromialgia, porque até recentemente, a condição não era amplamente aceita como uma doença real, disse a Dra. Mary-Ann Fitzcharles, professora associada de medicina na Divisão de Reumatologia da Universidade McGill.

Muitos acreditavam que os sintomas da fibromialgia estavam todos “na cabeça” das pessoas que lidam com a doença, já que muitas vezes parecem saudáveis.

“Agora é uma condição completamente reconhecida, sem dúvida”, disse Fitzcharles. “Nós nos afastamos da ideia de que todos os pacientes com fibromialgia têm doenças mentais”.

O que é fibromialgia?

A fibromialgia é uma condição na qual as pessoas sentem dor crônica em seus músculos e tendões, muitas vezes junto com outros sintomas como problemas de sono, dores de cabeça ou distúrbios de humor, disse Fitzcharles ao Global News. Atualmente não há cura para a fibromialgia, mas os sintomas podem ser controlados através do tratamento .

Como é a fibromialgia?

Os sintomas da fibromialgia variam, mas incluem fadiga, sono interrompido, disfunção cognitiva, síndrome do intestino irritável, distúrbios de humor como ansiedade e depressão e enxaquecas. Há um fio comum: a dor.

“Para mais de 30% das pessoas com fibromialgia, até mesmo um toque suave e acariciar a pele é percebido como desagradável”, disse Fitzcharles.

Ela explicou ainda que, para pessoas com fibromialgia, seus sintomas dolorosos indicam que há uma desconexão entre seus corpos e o sistema nervoso.

“É como se o sistema nervoso estivesse aceso. Em muitos pacientes, vemos evidências de algo que chamamos de hipervigilância”, disse ela. “Assim, as pessoas são excessivamente sensíveis a ruídos altos, ambientes movimentados e luz intensa”.

O que causa a fibromialgia?

Especialistas médicos não têm certeza da causa exata da fibromialgia, mas a doença muitas vezes pode ser rastreada até um evento traumático, disse Fitzcharles.

“Um terço das pessoas dirá que estava em perfeita saúde física, e então houve algum evento [significativo]”, disse Fitzcharles. “Pode ter sido uma doença viral grave, um evento traumático, como um acidente de automóvel e um osso quebrado, [ou] um evento fisiológico severamente estressante que parece desencadear o início”.

Para os outros dois terços das pessoas que vivem com fibromialgia, Fitzcharles diz que a condição parece surgir do nada. Há uma chance maior de desenvolver a condição se sua família tiver um histórico de fibromialgia.

Por que a fibromialgia é difícil de diagnosticar?

A fibromialgia tem intrigado os médicos há anos. É difícil de diagnosticar porque não há um teste padronizado para a condição, e também não há teste para confirmar o diagnóstico. Além disso, os sintomas das pessoas podem mudar com frequência e, novamente, aqueles que vivem com fibromialgia geralmente parecem saudáveis.

“O paciente parece absolutamente normal. Não há inchaço, não há febre, não há nada para ver. Assim, mesmo a família e os amigos têm dificuldade em entender o processo”, disse Fitzcharles.

Por ser difícil de identificar, ela diz que normalmente os pacientes levam cinco anos antes de serem diagnosticados adequadamente.

“O que os médicos precisam fazer [para diagnosticá-lo] é obter um bom histórico [médico] do paciente e examiná-lo para garantir que uma das condições que podem aparecer como fibromialgia não esteja presente”, disse ela.

Em seguida, os médicos farão testes mínimos para garantir que não haja outra doença subjacente. “Realmente recomendamos não fazer testes excessivos em pacientes, como raios-x excessivos e ressonâncias magnéticas”.

Como tratar a fibromialgia?

Fitzcharles diz que a condição pode ser tratada com medicamentos, mas a maioria dos pacientes controla sua doença com técnicas autogeridas, incluindo um estilo de vida saudável, sono adequado e minimização do estresse.

“Provavelmente a intervenção mais bem-sucedida é um programa regular de uma alimentação anti-inflamatória assistida por nutricionista, juntamente com atividade física confortável”, disse Fitzcharles. “O manejo não farmacológico é extremamente importante”.

Se um paciente precisar de medicação, Fitzcharles disse que é importante encontrar medicamentos que ajudem a aliviar a dor – não contribuam para ela.

“Infelizmente, a maioria dos medicamentos que usamos tem efeitos colaterais consideráveis, e muitos dos efeitos colaterais podem ser semelhantes aos sintomas da fibromialgia”, disse ela.

Leia mais sobre este assunto:

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.