Atualizada em 17 de janeiro de 2020, às 17h02min

Austrália foi devastada pelos piores incêndios florestais vistos em décadas, com grandes áreas do país queimadas pelo fogo desde o início da temporada de incêndios, no final de julho.

Ao menos 29 pessoas morreram em todo o país. Somente em Nova Gales do Sul, mais de 3 mil casas foram destruídas ou danificadas. Especialistas estimam em um bilhão o número de animais mortos por conta do fogo.

O fenômeno foi agravado seriamente pelo calor e seca persistentes, e muitos apontam as mudanças climáticas como um fator que faz com que os desastres naturais sejam ainda piores.

As temperaturas caíram: dos 40 graus foram registrados picos em torno aos 17 graus. Em Victoria, houve uma bomba d’água de verdade, como mostram as imagens que vêm da mídia local.

 

Segundo o jornal Daily Mail, os australianos devem comemorar, pois há previsão de mais chuva para o fim de semana, com a mais chance de precipitações nas regiões em torno de Sydney, na costa Norte de NSW e em Brisbane. Apesar das comemorações os meteorologistas mantém os pés no chão. As chuvas são passageiras e as temperaturas devem aumentar já a partir da próxima semana. Mais de trinta pessoas morreram e mais de um bilhão de animais foram queimados, 2 mil casas foram destruídas e cerca de 8,4 milhões de hectares de floresta foram perdidos.

Mas o vislumbre de esperança deixou o mundo enternecido e contente nesta sexta-feira 17 de janeiro.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.